Siga o Caminho: Lojas Trailler

Esses dias fiz uma fotos para uma loja maravilhosa, a Trailler oficial. Com looks masculinos maravilhosos a marca é ideal para homens modernos, e que gostam de estar na moda. 
Ela é a mais nova marca do grupo Rima´s, que sempre estão INVESTINDO  em profissionais capacitados e fica sempre por dentro das tendências e matérias-primas que fazem cada coleção ser única e desejada pelo jovem moderno.
Claro que a locação é maravilhosa mas já viu a beleza dessa camiseta? É “Trailler”.
Tanto é que a marca vem buscando desenvolver  e comercializar produtos com qualidade e rentabilidade, proporcionando satisfação aos consumidores. Atendendo os pré-requisitos de forma dinâmica e inovadora, buscando bem-estar e conforto e tem como visão, estar no ramo de confecção masculina, com excelência na formação de referência da moda goiana e brasileira.
Fotos: Bia Miranda (Instagram: @_biaa_).
Acessórios: Chili Beans Shopping Cerrado e Hifly Shopping Passeio das Águas.
Camiseta: Trailler Oficial (@traillerOficial).
Siga o Caminho: Lojas Trailler

Metas e emoções: Quando eu quero, será que posso?

Hoje li um artigo muito interessante do Dr. Sérgio Ricardo, no qual me inspirei para falar sobre. E o assunto é pra lá de legal, pelo menos pra mim, que sofro com baixa auto estima. — para ler o artigo na íntegra e sem edição, clique aqui

E hoje quero falar sobre como a confiança em si mesmo pode nos ajudar a estabelecer metas e cumprir nossos objetivos sem olhar se a grama (neste caso o caminho) do vizinho é mais verdinha.

Olhe o seu “caminho”, trace sua rota e persista! Imagem: Reprodução da Internet

E segundo o Dr. Sérgio, uma questão em relação a metas e objetivos que é ignorada, e que o problema, é que essa questão é um dos principais motivos para uma meta fracassar.

Normalmente, ao definir uma meta sugere-se ser o mais claro possível, vamos supor 2 exemplos:

Maria Abadia tem 38 anos e 83 quilos, decidiu que em 25 de julho de 2018 vai começar um programa de reeducação alimentar para, em seu aniversário, dia 25 de setembro de 2018 estar com 77 quilos.

• Paulo Fernandes tem 47 anos e possui uma loja de roupas no Centro do Rio de Janeiro. Ele decidiu que no período entre 28 de junho de 2018 até 28 de julho de 2018, ele irá aumentar o faturamento da empresa em 10% a mais que o faturamento do mesmo período do ano passado.

Podemos observar que os dois exemplos estão bem estruturados, racionais e de fácil entendimento pois tem o prazo inicial e o prazo final, estes facilmente vistos no calendário e o objetivo final específico para ser de fácil identificação se concluiu ou não a meta.

Mas, se é racional, facilmente colocado em calendário ou planilhas empresariais/financeiras, porque mesmo assim muitas pessoas não conseguem conquistar?

O doutor Sérgio continua:

– Porque falta a parte emocional da meta. Pois é importante perceber, que em nossos 2 exemplos, as pessoas que definiriam as metas realmente desejam os resultados esperados: Maria quer emagrecer e Fernandes quer aumentar o faturamento.

Entretanto, é real pensar que Maria já se acostumou a viver com seu peso e Fernandes deve viver bem com seu faturamento atual. E que eles podem ser facilmente vencidos pelas tentações: a pizza e o refrigerante no final de semana da Maria, ou aquelas ligações aos clientes que ficaram de dar resposta que podem ser deixadas para depois do Fernandes. Durante esse caminho vão ocorrer tentações e até mesmo algumas dificuldades. E é por isso, que metas totalmente racionais sem um peso emocional não funcionam tão bem, já que ao definir sua meta, você deve ter certeza de que falhar com a meta não é uma opção.

Maria, por exemplo, deve pensar além, e ter uma clara noção de qual vai ser a primeira roupa que ela vai usar, ao adquirir o peso desejado. Vai ser um vestido novo? Uma saia da moda ou aquele jeans que já não entra a muitos anos?

Qual vai ser a primeira coisa que Maria vai falar ao subir na balança e ver seu peso desejado? O que ela vai pensar ao ver que conquistou a meta? Que superou todos os obstáculos que foram surgindo ao longo das semanas? Que ela foi mais forte que as tentações?

Maria consegue se imaginar olhando para o espelho e vendo uma Maria mais bonita, mais magra? Maria consegue se imaginar com uma saúde melhor? Brincando com sua sobrinha de 3 anos, Júlia, e se sentindo mais disposta por causa de sua nova educação alimentar?

É muito importante que esses cenários mentais estejam claros ao definir sua meta, você precisa ter certeza de que falhar com a meta não é uma opção.

No caso do Fernandes, ele já vive bem com sua família com o faturamento atual de sua loja. Aumentar seu faturamento não vai gerar grandes mudanças em sua vida. Perceba como Fernandes precisa de uma motivação muito mais emocional do que a racional que ele já definiu corretamente?

Fernandes precisa saber exatamente o que ele vai fazer com esse faturamento extra. Ele consegue se imaginar olhando os relatórios e analisando que conquistou seu aumento? Por que é importante para o Fernandes esse aumento? Ele vai investir em um melhor ambiente para seus clientes? Para que seus clientes se sintam completamente especiais ao entrarem na loja?

Quem vai ser a primeira pessoa que Fernandes vai comunicar a conquista de sua meta? Que superou o cansaço, a procrastinação e conquistou sua meta? Fernandes vai investir em publicidade para mudar a vida (para melhor) de um maior número de clientes?

“Eu quero colocar uma marca no universo” – Steve Jobs

Eu quero, eu posso e eu consigo! Imagem: Reprodução da Internet

Você consegue ver a diferença de como é muito mais forte quando juntamos uma meta emocional com uma meta racional? É muito importante definir claramente o peso emocional em sua meta, porque apenas assim você vai enfrentar e superar os obstáculos que vão surgir.

Legal né? Que tal então começarmos hoje a colocar no papel nossos desejos e metas, mas também na nossa mente que é possível: Que se eu quero, eu posso, eu vou conseguir? Rumo aos resultados a uma vida mais significante e mais feliz!

Leia também: 

Como gostar do seu Trabalho!

De onde vem a desmotivação? – By Álvaro Fernando

Vamos mudar o mundo? – Por Dariane Vale

 

 

Resenha – Filme: A grande Jogada

A Grande Jogada conta a história de Molly Bloom, que é uma jovem atleta que depois de um acidente, decide adiar os estudos e se distanciar da família. Onde parte para um novo trabalho na costa Oeste americana, no qual é assistente de uma organização de jogos clandestinos de pôquer promovidos pelo seu chefe, eventos que atraem celebridades de Hollywood e outros nomes da alta sociedade. Inteligente e habilidosa, a protagonista obtém sucesso na empreitada, de modo que um desentendimento entre a mesma e o patrão, a mesma passa organizar as próprias rodas de pôquer. Além de disputados, os seletos eventos com o selo de Molly movimentam cifras vultosas.

Incapaz de driblar a relação complicada com seu rigoroso e autoritário pai, Molly vê naquele mundo a possibilidade de vencer no jogo e tomar conta de todos aqueles homens poderosos. A questão é que isso só poderia chamar atenção da polícia e o filme é contado justamente através das lembranças de Molly nos diversos encontros que tem com seu advogado, no qual precisa provar que a mesma não cometeu crime contra a sociedade.

 

Ali há uma mulher forte e com motivação que poucos parecem ter e um homem que analisa tudo sobre aquela mulher e o que ela pode vir a ser. E juntos tentam sair de um mundo arruinado pelos jogos ilegais.

A grande jogada chegou ao Brasil na ultima semana, e recebeu uma indicação ao Oscar de melhor roteiro, adaptado da autobiografia de Molly (recém–lançada no Brasil pela Intrínseca). É a estreia na direção do aclamado roteirista Aaron Sorkin (A rede social, de 2010, e Steve Jobs, de 2015), e traz Jessica Chastain no papel da “princesa do pôquer” – alcunha criada pelos tabloides quando o escândalo estourou. Filme que com certeza, vale a pena ser assistido!

___

Eu e minha mãe, assistimos ao filme na última quinta feira, 01/03/2018, no Cinépolis Cerrado, em Goiânia, e não poderiamos de registrar o conforto do cinema, mas também o péssimo atendimento por parte dos funcionários.

Veja também: 

As mais lindas e bem vestidas do Oscar, de todos os tempos!

Resenha – Filme: Os 33

Um dos maiores desafios da minha vida é o tema da redação do ENEM 2017

Como muitos já sabem, o primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2017 teve questões de humanidades com carga de leitura e exigiu dos candidatos conhecimentos de história, geografia, filosofia, sociologia e até atualidades.

A polêmica da vez foi o tema da redação, que foi “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”.

A prova teve quatro textos motivadores, sendo que um deles incluiu dados sobre o número de alunos surdos na educação básica entre 2010 e 2016. Outro apresentou um trecho da Constituição Federal afirmando que todos têm direito à educação, com já falamos aqui. Um terceiro mostrou aos candidatos a lei de 2002, que determinou que a Língua brasileira de sinais (Libras) se tornasse a segunda língua oficial do Brasil.

O tema causou polêmica, mas eu não entendi o motivo, já que a redação do Enem costuma funcionar como forma de conscientizar as pessoas sobre o tema escolhido. Ou seja, as famílias, país afora, discutem o assunto que caiu na prova. É o que aconteceu com a questão da persistência da violência contra a mulher, por exemplo.

Mas pelo que vi, e fiquei indignado é que para muitos não é tão importante o fato de que os surdos terem vencidos barreiras, e lutaram para terem acesso a educação, onde até certo período, nem direito de ir a escola tinham já que eram considerados “incapazes’, ou de sofrerem o bullying e o preconceito, ou serem ignorados pela família e a sociedade e ainda hoje seguirem excluídos na escola e mercado de trabalho, mesmo que tenham a capacidade e formação educacional, necessária ou mesmo tendo um excelente rendimento como pessoa ouvinte, assunto que também já discutimos aqui.

Não podemos negar que houve avanços nas leis inclusivas no Brasil, e que estamos caminhando para um país “igual para todos”. Sim, as leis existem, e até impulsionou as matrículas dos estudantes com deficiências, por exemplo, que praticamente dobraram. Porém muita coisa está longe de se tornar realidade, sair do papel, já que construir uma educação ou mercado de trabalho inclusivo vai muito além da mera criação de vagas.

Um exemplo disso, e é que eu passei e ainda passo por isso, é que ocorre com todos surdos: embora muitos tenham passado a frequentar a escola regular, ou trabalhar numa empresa que respeita a lei de cotas, é comum que os professores, empregadores e a maioria dos estudantes e colegas de trabalho não dominem a Língua de Sinais, o que coloca em risco a socialização. Não falar a língua do outro é uma forma velada de desprezo e rejeição: o surdo até está no mesmo espaço, mas não é devidamente atendido ou respeitado. De fato, eu que vos escrevo me sinto transtornado pelo despreparo da sociedade em relação a isso, das escolas que estudei e dos lugares que trabalhei e até daqui onde hoje trabalho.

Para parafrear, cito as palavras da colunista Andrea Ramal: “Para que a educação e o mercado de trabalho seja inclusivo de fato, é preciso adaptar a infraestrutura das empresas e escolas, e que estas precisam contar com recursos multifuncionais e serem planejadas com acessibilidade arquitetônica e tecnológica. Além disso, é necessário a capacitação dos ouvintes para aprimorar as práticas necessárias, de forma que o ambiente seja um ambiente de oportunidades reais para todos”.

Já em relação, a vagas e estações de trabalho para surdos, falamos com o jovem Enzo Matheus, de 20 anos, que fez a redação do ENEM ontem, no estado do Ceará. Segundo ele, é necessário não apenas ampliação de ofertas de empregos, mas também projetos sociais envolvendo os surdos e a Língua de Sinais, de modo que também que envolva toda a comunidade. Para ele seria uma forma de intensificar as relações interpessoais de surdos e ouvintes.

De fato, a principal mudança está na atitude da comunidade. Teremos escolas e empresas inclusivas quando todos os que fazem parte destes – acreditarem que no convívio com os “diferentes” poderemos aprender, nos tornamos pessoas melhores, mais sábias, tolerantes e talvez até capazes.

É juntos com os surdos e demais pessoas com deficiência, que iremos construir oportunidades, e assim uma nova sociedade mais justa possa começar.

 

Gostou do texto?

Leia outros assuntos aqui no Blog, clicando aqui.

Escolha ser feliz!

Bom dia!

O Blog  estava de férias mas voltamos, e olha que legal, estou fazendo neste mês de julho/2017, 5 anos de blogueiro.

E sabe, em todo este tempo passei por tanta coisa e tive tantas decepções. A real é que a vida as vezes é bem injusta, mas sei que veio também bastante aprendizado, e hoje tenho a plena consciência que vale a pena não desistir.

Falando em férias, estivemos nos Cânions do Itaimbezinho, o que logo contarei para vocês! E nosso Instagram, já segue? Passa lá: @blogdospernes.

Então, queria contar para vocês que fiz uma escolha: seguir em frente!

E você pode fazer também, decidir e curtir ser quem você é, do jeito que você for, ou viver infeliz por não ser quem você gostaria. Você pode assumir sua individualidade ou reprimir seus talentos, tentando ser o que os outros gostariam que você fosse, ou o que a mídia impõe a você.

Você pode se arrumar e ir se divertir, brincar, cantar e dançar, ou dizer em tom amargo que não tem mais idade pra coisas “fúteis”.

Você pode olhar com ternura e respeito para si próprio e para as outras pessoas que ama, ou com aquele olhar de censura, que reprimi, poda, pune, fere e mata, sem nenhuma consideração para com os desejos, limites e dificuldades de cada um, inclusive os seus. Pense: Como posso ser mais amável e tolerante?

Você pode amar e deixar-se amar de maneira incondicional, ou ficar se lamentando pela falta de gente à sua volta. Você pode deixar sua vida como está para ver como é que fica ou com paciência e trabalho conseguir realizar mudanças importantes e necessárias no mundo à sua volta. Você pode mentir para si mesmo, achando desculpas e culpados para todas as suas insatisfações, ou encarar a verdade de que, no fim das contas, você é quem decide o tipo de Vida que quer levar. Pense: O que você gostaria de mudar hoje?

Você pode escolher o seus sonhos e por que não o seu “destino” e, através de ações concretas caminhar firme em direção a ele mesmo que aja avanços e retrocessos, vitórias e recaídas, ou continuar acreditando que seu futuro já estava escrito nas estrelas e nada mais lhe resta a fazer senão aceitar, lamentar e sofrer.

Você pode viver o presente que a Vida lhe dá, ou ficar preso a um passado que já acabou e que, portanto não há mais nada a fazer, ou a um futuro que ainda não veio e que, portanto não lhe permite fazer nada. Você pode ficar numa boa, desfrutando o máximo de coisas que você é e possui, ou acabar de tanta ansiedade e desgosto por não ser ou não possuir tudo o que você gostaria. Pense: Como posso ser feliz?

Você pode engajar-se no mundo, melhorando a si próprio e, por conseqüência, melhorando tudo que está à sua volta, ou esperar que o mundo melhore para que então você possa melhorar. Você pode celebrar a Vida e a Deus que o criou, ou celebrar a morte, aterrorizado com a ideia de pecado e punição. Pense: O que Deus quer para minha vida?

Você pode continuar escravo da preguiça, ou comprometer- se com você mesmo e tomar atitudes necessárias para concretizar o seu Plano de Vida. Você pode aprender o que ainda não sabe, ou fingir que já sabe tudo e não precisa aprender nada mais. Você pode ser feliz com a Vida como ela é, ou passar o seu tempo se lamentando pelo que ela não é.

Imagem: Reprodução da Internet

A ESCOLHA É SUA.
Pondere bastante ao se decidir, e faça boas escolhas, pois é você que vai carregar o peso das escolhas que fizer. E o importante, é que você sempre tem escolha. O mundo gira, a vida dá voltas e ser feliz depende de você! Pegue sua chave e abra a porta rumo ao bem estar e ao contentamento! O SUCESSO É SER FELIZ!

Nota: O texto acima foi escrito por mim, mas não totalmente. Fui inspirado e em algumas partes copiei o texto: http://www.refletirpararefletir.com.br/textos/a-escolha-e-sua.

Veja também:

O que seria tatuado na nossa testa?

Das Séries que Amamos: “Anne com E”

No fim do século 19 viveu uma menina linda, doce, inteligente, leve, faladeira e otimista chamada Anne.

Anne começa a série na expectativa ser amada e feliz. – Imagem: Netflix/Divulgação

Anne é personagem da nova série da Netflix: “Anne with an E” da obra “Anne of Green Gables”, no qual contamos nossa impressão agora, e já avisamos para que não esqueça, que ao ler Anne, você deve pronunciar ” E”, no final. Recado dado, vamos nos apaixonar?

Tudo começa quando a orfã Anne Shirley, chega a Ilha de Príncipe Eduardo, no Canadá, onde viverá com sua nova família adotiva.

Mas não pense que é uma família comum de marido e mulher. Na verdade trata-se de um casal de irmãos Matthew e Marilla, que estão já idosos e que nunca tiveram filhos. E com a idade, resolvem adotar um menino para ajuda-los nas tarefas da propriedade rural onde vivem.

Imaginem a surpresa e a decepção ao descobrirem que na verdade não veio um menino e sim a doce e sorridente menina Anne (com E), que mal pode acreditar que terá uma família, um lar eque  se belisca o tempo todo para ter certeza que é a realidade. Mas na estação, Matthew encontra a menina e não tem coragem de desfazer o mal-entendido.

A família unida – Imagem: Netflix/Divulgação

Chegando na casa, Marilla é resistente à presença de Anne. Mas, com o passar dos dias, ela se encanta com a menina, que faz de tudo para ser aceita como membro da família.

A inteligência e a grande imaginação de Anne são os pontos altos da série, e vão além da relação de afeto entre ela e os novos “pais”. Ainda assim nem tudo são flores, até porque Anne detesta seu cabelo ruivo, suas sardas e sofre bullying de todos, inclusive na escola, e pelo próprio padre da cidade por ser órfã, pobre ou os cabelos vermelhos demais.

Aos poucos, a menina ganha a confiança do povo da cidade, e consegue evitar que um incêndio tome proporções assustadoras, salva uma criança doente e ajuda a impedir a falência da propriedade da família. Mostrando que o otimismo sempre é necessário para lidar com as dificuldades da vida. Anne é Show, e é um exemplo de como devemos levar a vida: Com alegria, esperanças e muito amor e imaginação: Viva Anne!

Anne, 2017 – Canadá

Elenco: Amybeth McNulty, Geraldine James, R.H. Tomson, Dalila Bela, Corrine Koslo, Aymeric Jett Montaz, Helen Johns, Lucas Jade Zumann, Christian Martyn & Kyla Matthews

Direção: Niki Caro, David Evans, Paul Fox, Sandra Goldbacher, Patricia Rozema, Helen Shaver & Amanda Tapping

Roteiro: Moira Walley-Beckett

Fotografia: Bobby Shore

Agradecimentos: Ao meu amigo Wemerson Cláudio que me indicou a série, obrigado!

Veja também: 

Das séries que amamos (?) – 13 Reasons Why

 

Quando falamos SIM, e queremos falar NÃO.

Você já disse SIM para algo a que preferia dizer NÃO? Ou, você disse NÃO, para algo que gostaria de experimentar? Ou aquele  sonho que você tem, e que provável que não conseguirá realizar,  embora seja interessante tentar?

Pense que aconteceu com você na última semana, ou talvez nos últimos 30 dias ou quem sabe no último ano. Alias, quantas vezes na sua vida isso já aconteceu?

Agora pense: ainda é possível voltar atrás? Ou essa decisão é possível ser mudada? Talvez seja…

Que tal então, fazer valer a pena dessa experiência da próxima vez para dizer SIM?

Mas talvez não seja possível. Então, vamos levar essa experiência e buscar o que podemos aprender com a mesma. E começar agora a estabelecer o que chamamos de limites. E tanto é que já dizia a música, “Dizer não é Dizer sim”, gravada em 1989, pela Banda Kid Abelha e composta por Paula Toller, George Israel:

Dizer não é dizer sim, 

Saber o que é bom para mim

Não é só dar um palpite,

é mostrar o meu limite (…).

Qual é o seu limite? A resposta a esta pergunta, cabe apenas a você. E a reflexão para a mesma é crucial para dar o SIM ou o NÃO.  No final, veja o que é bom para você. Arrisque-se se necessário! Se decidir-se pelo SIM ou pelo NÃO, lembre-se de fazer isso por quem realmente merece, mas não esqueça de você.

Mas ao impor seus limites ao seu SIM ou Não, é necessário também impor limites a como os outros devem se portar com você: Você não precisa aceitar quando alguém se dirige a você de uma maneira que não lhe agrada, ou quando não o trata com gentileza e respeito. E não importa se é o seu chefe, a sua sogra, o papa, o rei ou seu melhor amigo.

Tampouco importa se aceitava a situação que se sempre foi assim. Lembre-se que nunca é tarde para impor limites. Comece hoje a lutar por você, pelo poder do SIM, pela força do seu NÃO.

Texto: Thiago Perné Santos – para o Blog dos Pernés

Motivação e Liderança – Maio: 31 dias/ 31 frases – Por Dariane Vale

Maio começou, e começou bem, tanto é que começou com um feriado do dia do trabalho. É, Maio é o “mês do trabalho”, tanto é que serão ao todo 31 dias. E a muito pela frente.

Eu sei que já estamos no terceiro dia, mas ainda há tempo de “roubar-tilhar” (roubar + compartilhar) com vocês 31 frases de efeito do Blog da minha amiga Dariane Vale.

O texto é bom e as frases foram super bem selecionadas. Cabe a nós pegar para nós o que há de melhor a cada dia e refletir: como posso ser um ser hoje insubstituível para o mundo?
Que a vida seja a cada dia melhor, começando hoje!
Imagem: Reprodução

Sempre que precisamos de conselhos, para onde recorremos? Aos grandes pensadores, aos líderes que nos inspiram!

 

Entramos em um mês de reflexão, mas também de muito trabalho. E nunca é tarde, seja em qualquer época, para nos inspirar!

 

Quem sabe, encher as paredes do seu escritório com frases assim possibilitam uma maior (e melhor) motivação da sua equipe.

É recorrente esta minha afirmação: use as armas que tem, e use ao seu favor. Um pouco de otimismo diário não é nada mal, aliás, é válido sempre!!

Use e abuse, imprima as frases de liderança e motivação para um mês inteiro, divida com a sua equipe, e mostre que os valores podem e devem ser repassados e compartilhados!

Empreender é quase que travar uma batalha diária, dada a quantidade de obstáculos e adversários que aparecem à sua frente. E é impossível vencer a guerra sozinho.

 

  1. “Um líder é um vendedor de esperança” – Napoleão Bonaparte

 

  1. “Minha definição de liderança é a seguinte: a capacidade e o desejo de guiar, com caráter, homens e mulheres rumo a um objetivo” – Bernard Montgomery

 

  1. “O melhor executivo é aquele que sabe escolher os melhores homens para uma missão e tem autocontrole suficiente para não se intrometer enquanto eles resolvem o problema” – Theodore Roosevelt

 

  1. “Um líder de verdade tem confiança para ficar sozinho, coragem para tomar decisões difíceis e compaixão para escutar a necessidade dos outros” – Douglas MacArthur

 

  1. “Nunca dê uma ordem que não pode ser executada” – MacArthur

 

  1. “A liderança é a arte de fazer uma pessoa querer fazer algo que, na verdade, vai ajudar você” – Dwight Eisenhower

 

  1. “Prepare-se para tomar decisões. Essa é a qualidade mais importante em um bom líder” – George Patton

 

  1. “Um líder é alguém que adapta princípios de acordo com as circunstâncias que aparecem” – Patton

 

  1. “Se todo mundo está pensando igual, então tem gente que não está pensando em nada” – Patton

 

  1. “A liderança é a potente combinação entre estratégia e caráter. E se quiser escolher um valor, fique com o segundo” – Norman Schwarzkopf

 

  1. “Grandes líderes são quase sempre grandes simplificadores, que cortam argumentos, debates e dúvidas para oferecer uma solução que todos podem entender” – Colin Powell

 

  1. “Dados são mais importantes que julgamentos para líderes de sucesso” – Powell

 

  1. “Temos que ajustar nosso caminho rumo às estrelas, não para as luzes de todo navio que passa no mar” – Omar Bradley

 

  1. “A disciplina é a alma de um exército. Ela faz grupos pequenos parecerem formidáveis, ajuda os mais fracos a obter o sucesso e traz autoestima para todos” – George Washington

 

  1. “Lembre-se: ninguém pode fazer você se sentir inferior sem o seu consentimento” – Eleanor Roosevelt

 

  1. “Não importa o quão rápido você anda, mas a força de vontade para nunca parar” – Confúcio

 

  1. “Uma pessoa que nunca cometeu erros nunca tentou algo novo” – Albert Einstein

 

  1. “Falhe sete vezes. Levante-se oito” – provérbio japonês

 

  1. “Há apenas uma maneira de evitar críticas: não fazer, não falar e não ser nada” – Aristóteles

 

  1. “Seu tempo é limitado, então não perca tempo vivendo a vida de outra pessoa” – Steve Jobs

 

  1. “Você não falhará se não subir a montanha. Mas não tem graça nenhuma viver sempre com o pé no chão” – autor desconhecido

 

  1. “Quando tudo parecer estar contra você, lembre-se que o avião decola contra o vento, não com a ajuda dele” – Henry Ford

 

  1. “80% do que leva as pessoas ao sucesso é se mostrar para o mundo” – Woody Allen

 

  1. “Não perca tempo tentando mudar a opinião dos outros. Faça seu trabalho e não ligue para o que pensam” – Tina Fey

 

  1. “Daqui 20 anos, você vai se arrepender pelo que não fez, não pelos erros que cometeu. Afaste-se do seu porto seguro. Enfrente o vento. Explore. Sonhe. Descubra” – Mark Twain

 

  1. “Sempre lembre que você é mais corajoso do que pensa, mais forte do que parece e mais esperto do que acredita” – Christopher Robin

 

  1. “Ok, você é inseguro. Mas adivinhe? O resto do mundo também é. Não superestime a concorrência e subestime você. Você é melhor do que acredita” – T. Harv Eker

 

  1. “Nada pode parar alguém com a atitude ideal a conquistar sua meta; nada na Terra pode ajudar alguém sem comprometimento” – Thomas Jefferson

 

  1. “A confiança não vem do ato de estar sempre certo, mas de não ter medo de estar errado” – Peter T. McIntire

 

  1. “Na vida, cada um tem dois caminhos a seguir: esperar pelo melhor dia da vida ou comemorar cada um deles como algo inesquecível” – Rasheed Ogunlaru

 

  1. “Um plano razoável executado hoje é melhor que um plano perfeito que sempre fica para a semana que vem” – George Patton

 

E mais 3 frases bônus – porque acho incrível ter palavras que acrescentam no nosso desenvolvimento pessoal e empresarial!

 

  1. “Mantenha seus medos consigo mesmo, mas compartilhe sua coragem com todo mundo” – Robert Louis Stevenson

 

  1. “Faça o que você puder, onde você está e com o que você tem” – Theodore Roosevelt

 

  1. Não deseje que seja mais fácil. Deseje ser mais forte. A força surge do impacto entre a força e o poder. 

 

E você, quer ficar por dentro das últimas tendencias da moda? Que tal estar cada dia mais motivado? Ou então, se vai viajar mas não sabe para onde? A Dari, conta tudo para gente lá no Moda e Gestão!

Leia também outros textos da Dariane que publicamos aqui, de acordo com os temas:  Motivação da Semana, Motivação no Trabalho, Vamos mudar o mundo!

Das séries que amamos (?) – 13 Reasons Why

A vida de Hannah Baker chega ao fim na série 13 Reasons Why, depois de passar por uma série de agressões emocionais, física e sexual.

Qual sua parcela de culpa? — Imagem: Reprodução/ Netflix

A série é baseada no livro “Os 13 porquês”, lançado no Brasil pela Editora Ática e contam com 13 episódios/ 13 motivos/ 13 pessoas/ 13 fitas cassetes que foram gravadas pela jovem que relata a dor e o sofrimento nos seus plenos 17 anos. E ela é branca, magra, bonita, olhos claros e heterossexual, e aparentemente não tem nenhum motivo para sofrer bullying.

Adianto que a série “pode” ser vista por todos, mas é necessário um “estômago forte”. Pois trata-se de bullying e até mesmo suicido (no episódio 13, a jovem corta os pulsos e morre).

E confesso que não acho que me enquadro neste grupo, até porque tenho depressão, mas fui até o fim pois de algum modo queria contar para vocês. Além de parte dos assuntos serem discutidos aqui no blog.  Mas de fato não indico para pessoas que podem ter algum transtorno emocional.

Hannah (Katherine Langford) — 13 reasons. Imagem: Reprodução/ Netflix

Com todo este drama, a série levanta a questão: será que ao abordar o suicidio, dessa forma,  não estaria incentivando jovens com depressão a se suicidar?

O site O Globo conversou com especialistas sobre o assunto:

— Não é uma opinião pessoal, e sim um fato: a veiculação ou divulgação de um suicídio pode inspirar pessoas que pensam no assunto — diz Carmita Abdo, presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). — Se, por um lado, estamos nos solidarizando pela Hannah e mostrando os riscos que ela pode sofrer dentro de situações cotidianas, por outro estamos, talvez sem saber, dando munição para muitos indivíduos que sofrem de desequilíbrio mental. Uma saída para a ficção é falar sobre o suicídio como algo que se pode combater, em vez de se afirmar somente que é um evento horrível.

O site também traz o relato da Gerente de comunicação da Netflix no Brasil, Amanda Vidigal: No fim do 13º e último episódio, a Netflix exibe um documentário de 30 minutos com atores, produtores e psiquiatras alertando sobre os perigos e impactos psicológicos dos temas retratados na série. Também traz um link (13reasonswhy.info) no qual jovens que enfrentam problemas semelhantes podem buscar ajuda — no Brasil, os contatos do Centro de Valorização da Vida, o CVV, estão disponíveis. Além disso, no começo dos episódios com conteúdo de violência ou abuso sexual, uma mensagem é exibida recomendando a discrição do espectador.

Clay (Dylan Minette protagonista de 13 Reasons) — Imagem: Reprodução/ Netflix

— ‘Trata-se de uma ficção, um produto de entretenimento, mas que aborda temas sensíveis e que necessitam de um certo cuidado. Esse cuidado existiu, a produção contou com a consultoria de profissionais de saúde durante todo o processo’.

Independente da minha opinião, desde a sua estreia subiu em 445% o número de e-mails com pedidos de ajuda recebidos pelo Centro de Valorização da Vida (CVV). Houve alta ainda de 170% na média diária de visitantes únicos no site.

Enfim, cenas torturantes e tristes que somente uma pessoa que já sofreu e sofre com o bullying e depressão vai entender. E que talvez esse seja o motivo de tamanho sucesso nas redes sociais. Uma coisa é certa, o tema deve ser discutido, e as práticas evitadas. Ressalto que série agora tem a responsabilidade de mostrar que o suicidio não é o fim, que sempre há uma saída. E não resolve os nossos “fantasmas”, apenas passa a dor adiante para familiares, amigos e para a comunidade.

O bullying deve ser discutido e afeta a vida de quem sofre. Também a depressão deve ser tratada. E os pais e educadores podem contribuir, portanto fiquem de olho. Termino este post, com 3 motivos para não desistir da vida, publicado na íntegra no site Jw.org. 

Se você está passando por uma fase ruim, nao se desespere, leia os artigos acima, clicando em cada um deles, procure ajuda de seus pais, professores ou outro adulto maduro, quem sabe o CVV?

Formas disponíveis para pedir ajuda no CVV.

 

E não esqueça Deus, ore a ele e peça forças, compreensão e sabedoria.

Lembre não é o fim do túnel, estamos com você.

Serviço:

13 reasons Why

Com Dylan Minnette como Clay Jensen, Katherine Langford como Hannah Baker, Christian Navarro como Tony Padilla, Alisha Boe como Jessica Davis, Brandon Flynn como Justin Foley, Justin Prentice como Bryce Walker, Miles Heizer como Alex Standall, Ross Butler como Zach Dempsey, Devin Druid como Tyler Down, Amy Hargreaves como Lainie Jensen, Derek Luke como Kevin Porter e Kate Walsh como Olivia Baker.

Direção Executiva: Selena Gomez.

Exibição: Netflix

Leia também: 

Impressões trazidas pelo vento!

A beleza da diversidade, do talento e do respeito

Vamos combater o Bullying entre Nós!