Arquivos da categoria: Dica de Leitura

Falante: histórias de um menino com TDAH

Obra explica como é a mente de crianças com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade

Elétrico”, em 2019. “Distraído”, em 2020. “Falante”, em 2021. O capítulo final da trilogia com histórias de Bernardo, uma criança com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) retrata a evolução do personagem ao longo dos anos.

Mas você sabe o que é TDAH? É um transtorno neurobiológico, que aparece na infância e frequentemente acompanha o indivíduo até a fase adulta. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 4% da população adulta mundial têm o TDAH. Só no Brasil, atinge aproximadamente 2 milhões de pessoas adultas.


O livro “Falante”, do jornalista Eduardo Ferrari, lançado virtualmente pela Literare Books International em parceria com a EFeditores, na data em que a conscientização para o tema é lembrada mundialmente (13 de julho), aborda de forma lúdica e atual o TDAH com diversas histórias, que explicam como funciona a mente de crianças com o transtorno. As ilustrações são de autoria do renomado artista plástico, Paulo Stocker.

A obra é a terceira da trilogia do pequeno Bernardo e baseada nas experiências reais do autor, que também é portador de TDAH tardiamente diagnosticado, que viu a história se repetir com seu filho caçula, vítima de preconceito e decidiu usar a literatura para combatê-lo.

Um livro para crianças hiperativas, que irão se identificar com a obra e para os pais delas, que encontrarão nas páginas uma ferramenta para entender como funciona o cérebro de seus pequenos.

Sobre o autor
Eduardo Ferrari – Jornalista e escritor dos livros “Elétrico” (2019), “Distraído” (2020), “Mineiros na Copa” (2015), “Interlocutores” (2010), “Só em Beagá” (2008) e da adaptação cinematográfica de “O segredo de Luísa“, best-seller de Fernando Dolabela.


Falante
Autor: Eduardo Ferrari
Literare Books International – 1ª edição – 64 páginas – 2021
Formato: 14 x 21 cm 
Categoria: Ficção/ Literatura Infantojuvenil
ISBN: 9786559220687
Loja Literare: https://bit.ly/FalanteLoja

Rafael Magalhães e o seu Precisava Escrever

Pra quem não conhece Rafael Magalhães eu posso falar que o goiano é o autor dos textos e gerenciador de todas as suas redes sociais Precisava Escrever, Que o seu trabalho fala de otimismo, amor, alegria e também até de tristezas e decepções. E que ele tem milhares de leitores e admiradores do seu trabalho por todos os cantos do país. E que o seu primeiro livro por exemplo, também intitulado PRECISAVA ESCREVER, e esteve na lista dos livros independentes mais vendidos do Brasil. E que suas redes sociais contam com milhares de seguidores. 

 

Meses atrás foi inaugurada a sua loja Precisava Escrever do Shopping Passeio das Águas. E ontem estive lá, vamos conhecer esta linda loja?

E como eu dizia, eu estive lá e pude conhecer o Rafael Magalhães, para um abraço, uma foto e um autógrafo:

A prosa foi breve mas valeu a pena, e até pude aproveitar a ocasião para falar do blog e incentiva-lo a aprender a Língua de Sinais.

Obrigado Rafael, aquele abraço!

Tags , , , , , , , , , , ,

Dica de Leitura: Areia na Praia

Inspirados neste clima de sol e praia de começo de ano, recebi o release da minha parceria da Editora do Brasil, que traz o lançamento do livro infanto juvenil, Areia na Praia.

A Meg e sua cadelinha Areia desbravam e descobrem o mundo juntas. E o afeto, companheirismo e sentimento de perda são alguns temas abordados na emocionante narrativa de amizade entre uma menininha e sua cachorra. 

A história sobre a amizade verdadeira entre as pessoas e seus animais de estimação tem muito da experiência da autora, que desde criança sempre teve bichinhos. Elma explica que teve uma cachorrinha chamada Meg que esteve com a família por quase doze anos e adorava ir à praia. “Meg, diferentemente de Areia, nem precisava usar coleira, mas costumava correr para muito distante e meus filhos sempre questionavam se ela voltaria. Meg sempre voltava e era uma grande festa e alegria”.

A publicação leva o leitor à reflexão sobre a relação entre seres diferentes. “É permitir que o meu mundo, tão diferente, faça parte do mundo do outro e vice-versa. É uma forma de aprendermos a lidar com outras maneiras de amar, que muitas vezes é complicada, mas sempre gratificante”, completa. Para retratar os lindos momentos do livro, a cor do papel, da areia da praia e da cachorrinha, as ilustrações ganharam vários experimentos. “Como moro perto da praia, as imagens surgiam com as lembranças vivenciadas por mim, por minha família e pelos meus amigos, que amam seus animais. Relações de afetos que contagiam”, orgulha-se.

Autora e ilustradora: Elma

Formato: 21 x 28 cm

Número de Páginas: 32 páginas

Preço sugerido: R$ 46,60

Sobre a autora: Elma tem diversos livros publicados como ilustradora e alguns como escritora. Já ganhou prêmios e suas ilustrações participaram de mostras e exposições no Brasil e no exterior.

Sobre a Editora do Brasil: Fundada em 1943, a Editora do Brasil atua há mais de 70 anos com a missão de mudar o Brasil por meio da educação. Como empresa 100% brasileira, foca a oferta de conteúdos didáticos, paradidáticos e literários direcionados ao público infanto juvenil.

Veja também:

Pets: Porque que amamos tanto os animais?

Criando bons hábitos de leitura nos pequenos

Tags , , , , , , , , , , , ,

Criando bons hábitos de leitura nos pequenos

De acordo com a quarta edição da Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil – que foi encomendada pelo IPL – Instituto Pró-Livro ao Ibope Inteligência, ter um influenciador de leitura dentro de casa faz bastante diferença para criar novos leitores, ou seja, crianças que crescerão com o hábito de ler.

E a pesquisa aponta que 33% dos leitores respondentes sofreram a influência de alguém para começar a gostar de ler. Destes 33%, 19% dos entrevistados alegaram que algum dos responsáveis ou parente influenciou seu desejo pela leitura.

Percebe-se a partir destes dados que a família tem grande relevância na formação de leitores. No entanto, os índices que se referem aos pais ainda são baixos, e há muito a se melhorar.  As políticas de fomento à leitura que o IPL promove têm como intuito proporcionar momentos literários e de estreitamento das relações entre os pais e filhos. E para que isso seja possível, escolha temas que sejam do interesse do seu filho, reserve tempo para ler com ele e ajude-o a descobrir novas aventuras e aprendizados por meio da leitura.

O hábito de leitura se aprende em casa, mas a sociedade também pode contribuir para que nossas crianças leiam cada vez mais. E foi pensando nisso o Blog dos Pernés, a Editora do Brasil e o MFBGO – Mini FAshion Bloggers GO, promoveram no último mês uma parceria para influenciar mini blogueiros do estado de Goiás á bons hábitos de leitura. 

Vamos conferir o resultado dos livro indicado para a faixa etária de 8 a 12 anos?

  • Júlia Nitão, 11 anos – Anápolis/GO.
    • Modelo, integrante do MFBGO e cacheada assumida. É super estudiosa e uma amante de livros. Devorou o “Um Encontro com a Liberdade” em menos de dois dias:
  • João Pedro, 11 anos – Mozarlândia/GO.
    • Está sempre mostrando seu sorriso brilhante e contagiante. Ele também é membro do MFBGO e além de cantar no coral da igreja, é leitor assíduo e amou o livro  “Um Encontro com a Liberdade”, tanto é que ficamos sabendo que leu tudo em apenas um dia:

 

Sobre o Instituto Pró-Livro: O Instituto Pró-Livro (IPL), foi criado no final de 2006 pelas entidades do livro – Abrelivros, CBL e SNEL, com o objetivo principal de fomento à leitura e à difusão do livro. Iniciou suas atividades em 2007. Atualmente é  mantido pelas entidades fundadoras e por contribuições voluntárias de editoras.  As entidades do livro, representando a cadeia produtiva, fundaram o Instituto Pró-Livro assumindo o compromisso de responsabilidade social junto a representantes do governo e sociedade civil, para a promoção de ações de fomento à leitura, orientado pela missão de transformar o Brasil em um país de leitores. O IPL realiza periodicamente a pesquisa Retratos da Leitura do Brasil, maior e mais completo estudo sobre o comportamento do leitor brasileiro, para avaliar impactos, orientar políticas públicas do livro e da leitura, promover a reflexão e estudos sobre os hábitos de leitura do brasileiro e, desta forma, melhorar os indicadores de leitura e o acesso ao livro. www.prolivro.org.br.

Sobre o livro “Um encontro com a Liberdade: ic

Que tipo de pai teria o filho como escravo? Ainda criança Gabriel perdeu a mãe, uma escrava e companheira de seu pai, Valentim, um rico comerciante português. Conforme o tempo passa, o garoto, que sempre trabalhou para o pai, vai entendendo a sua condição e a situação em que outros negros se encontram, aumentando sua revolta. A liberdade lhe parece algo distante e, ao mesmo tempo, assustadora. Afinal, ela realmente resolveria seus problemas? Autêntico e esclarecedor, Júlio Emílio Braz aborda neste livro a libertação dos escravos, conduzindo o leitor a perceber outro lado, muitas vezes desconhecido, sobre a Lei Áurea.
    • Editora: EDITORA DO BRASIL
    • Ano:  2016
    • Idioma: PORTUGUÊS
    • País de Produção: BRASIL
    • Encadernação:  BROCHURA

Sobre o livro “MFBGO”: O Mini Fashion Bloggers GO é uma plataforma digital de mini influenciadores da Moda goiana. Tem como objetivo trabalhar na imagem de que a “Moda é ser Criança”, Atualmente é composta por 8 crianças que juntas somam quase 150 mil seguidores no Instagram.

Tags , , , , , , , , ,

Dica de Leitura: “Claro, Cleusa. Claro, Clóvis.”

O que as figuras geométricas tão diferentes como um quadrado, um triângulo e um círculo podem nos ensinar sobre a amizade e o relacionamento interpessoal?

Em “Claro, Cleusa. Claro, Clóvis”, da Editora do Brasil, a escritora, ilustradora e designer gráfico premiada Raquel Matsushita usa a movimentação e a criatividade de seus desenhos para demonstrar ao público infantil o benefício que a abertura de espaço para a união dos amigos pode causar.

O livro conta a amizade de Cleusa, um triângulo; e Clóvis, um quadrado; que se completam perfeitamente, até o dia em que Clóvis fica doente e surge Catarina, uma nova personagem, na figura de um círculo. Inicialmente, a presença de Catarina incomoda, mas eles descobrirão que novas formas de construção da amizade podem surgir.

Uma coisa é certa, o livro é magnifico e nos ensina bastante sobre as amizades, e mostra que a união do trio geométrico abre infinitas leituras de imagens, que possibilitam ao leitor fazer sua própria interpretação para dar sentido às novas formas de amizade. Um livro, que de maneira divertida e criativa, vai ajudar as crianças (e adultos) a abrir espaço para os relacionamentos interpessoais.

Já recebei o meu e fiquei encantado, obrigado Editora do Brasil.

Sobre a Editora do Brasil: Fundada em 1943, a Editora do Brasil atua há mais de 70 anos com a missão de mudar o Brasil por meio da educação. Como empresa 100% brasileira, foca a oferta de conteúdos didáticos, paradidáticos e literários direcionados ao público infantojuvenil.

Leia também aqui no Blog:

Artigos sobre Inclusão, Surdez e Língua de Sinais

Outros Livros da Editora do Brasil:

Tags , , , , , , , , , , , , , , , ,

Dica de Leitura para Crianças: A Casa na Árvore

Hoje a dica de leitura é para as mamães, para os professores e para as crianças. A Editora Melhoramentos mandou pra mim “A Casa na Árvore” de Tino Freitas e Lúcia Brandão. O livro que é simplesmente uma graça. E lindo começando pela capa.

Ele conta a histórias dos animais que moram no Condomínio Bicharada, que vivem nas mais lindas e incríveis árvores. Lá, todo mundo está feliz e também muito ocupado, organizando um chá de boas- vindas para o novo morador.  Para a festa, eles escolhem frutas, cozinham bolos e fazem até um cocar e um travesseiro macio para lhe dar de presente.

Essa foto foi tirada na minha rua, aqui em Goiânia, que é cheia de árvores lindas. Só está faltando a casa e os bichos pra ficar ainda mais divertida. Imagem: Thiago Perné Santos/ Blog dos Pernés

Quais são os lindos bichos? Quais são as perfeitas árvores e quais suas funções? E esse novo morador, quem é ele? Uma coisa é certa: Tino Freitas e Lúcia Brandão oferecem uma divertida história através desse passeio pela fauna e pela flora brasileira. Com certeza uma ótima dica para as crianças. Fica a dica também para escolas adotar este livro.

Veja também:

Dia internacional da Síndrome de Down: O Clube dos livros esquecidos

Dica de Leitura: “O poder dos Imperfeitos”

 

Tags , , , , , , ,

Vamos combater o Bullying entre Nós!

O termo bullying refere-se  qualquer atitudes agressivas, físicas ou verbais, repetitivas e intencionais, exercidas por uma ou mais pessoas e que tenham o objetivo de intimidar ou agredir um indivíduo, causando nele dor e angústia. E Você sabia que segundo a UNICEF, uma em cada três crianças do mundo, entre os 13 e os 15 anos, é regularmente vítima de bullying na escola? E crianças abaixo dessa faixa etária e até adultos também passam por isso?

Por isso é necessário consciencializar a população para esta forma de violência e encontrar formas de preveni-las. E hoje, 7 de abril é o dia proposto para combater o bullying e a violência na escola, mas ninguém pode ficar de fora.

Dias atrás apresentei a vocês a leitura de um livro chamado “Entre silêncios e gestos”., que fala bastante sobre o assunto. Não viu? Veja aqui:

Dica de Leitura: “Entre silêncios e gestos” de Marcos Arthur.

Eu já tenho o meu exemplar, e iniciei a leitura na última semana. Mas ainda não havia publicado a conversa que tive com o Marcos, autor do livro, que também já sofreu muito bullying. vamos ao papo?

Qual a deficiência de Marcel? Já que teve “poliomielite”, assim como o autor, seria física?
Marcel Dantas Mascarenhas — o Tabó —, assim como eu, autor do livro, teve paralisia infantil (poliomielite), que atingiu sua perna direita. Eu falo um pouco sobre essa doença na página 38 e também sobre suas consequências.

Então, podemos dizer que o personagem foi inspirado na sua vida?
Muito do que aconteceu com Tabó aconteceu também comigo. Então sim, posso dizer que 60, 70% do livro é realidade que passei e o resto, ficção. 

Como a poliomielite o afetou, e como se inspirou para escrever a obra?
O vírus da poliomielite  me atingiu de uma forma menos agressiva, já que poupou outras partes de meu corpo. Há casos bem mais complexos e delicados, mas acredito que uma das coisas ruins, além de certas limitações físicas, era ter de enfrentar brincadeiras de mau gosto. Isso mexia demais comigo, nenhuma criança gosta de se sentir excluída. O que me inspirou essa história foi exatamente a história vivida por mim, com um final feliz de superação.

Foi difícil de se “aceitar” como uma pessoa com deficiência? Havia o muito “coitadinho” por ele ser “assim”?
Acredito que sempre me aceitei com minha deficiência. Os problemas maiores proviam da minha intensa timidez (talvez fruto da deficiência, não sei), que também, aos poucos, foram superados. E havia mais gozações e xingamentos do que “coitadinho dele”, o que, confesso, não sei o que seria pior. 

Estudou numa escola inclusiva ou regular? De qualquer modo deve ter sofrido muito Bullying…
Estudei em escolas comuns municipais (muito boas na época, por sinal), mas estaria mentindo se dissesse que não sofri bullying. Sofri, sim, como até hoje sofrem outras crianças.

E hoje, apesar das campanhas contra o bullying, o que você observa, o bullying hoje está maior ou menor que quando criança?
Como você disse, já houve e há campanhas imensas contra o bullying, além de um diálogo mais aberto sobre este tema tão delicado. Houve avanços, sim, não há como negar, mas ainda há muita, muita discriminação.

O que já foi feito, e o que ainda falta para uma sociedade mais justa e inclusiva?
Não sou especialista no assunto, mas sinto que avançamos, pois há um olhar mais atento para as diferenças. Ainda há muito por fazer, há uma lei a ser cumprida e se as pessoas se conscientizarem disso, caminharemos a passos largos, rumo a uma sociedade mais justa e inclusiva. Depende de todos nós.
Continuar lendo

Tags , , , , , , , , , ,

Dica de Leitura: “O poder dos Imperfeitos”

Sempre fui muito perfeccionista e com o tempo venho apreendendo que devo ser cauteloso em exigir mais de mim mesmo e de outros, pois não existe um ser humano no mundo que, o tempo todo, faça tudo perfeito em todas as esferas da vida. Hoje acredito que isso seja sorte, ´já que estamos num mundo incompleto. Perfeição é bom, mas bom senso é melhor ainda.

Pensando nisso gostaria de indicar o livro: “O poder dos Imperfeitos” de Elizabeth Kuylenstierna.

O livro s ajudará você a acionar o seu perfeccionismo quando realmente precisar dele, em vez de ficar carregando-o por toda parte como uma corda no pescoço, ou uma grande pedra nas costas.

A autora mostra como você pode lidar com o seu perfeccionismo, e como pode aprender a contentar-se com um “suficientemente bom”, levando uma vida mais harmoniosa, com mais sentimento, com uma presença mais intensa no aqui e agora, com mais prazer e menos pressão por resultados.

A própria autora era uma perfectionista e sendo franco: exageradamente maluca. Por isso tenho certeza que vão gostar, e até se divertir em alguns trechos, o livro é realmente uma ótima leitura.

    • ISBN:  8532650309
    • Encadernação:  BROCHURA
    • Medidas: 23 x 16 x  1
    • Nº de Páginas:  256
    • Editora: Vozes

Veja outras dicas de livros:

Dica de Leitura: “Entre silêncios e gestos” de Marcos Arthur.

 

Dia internacional da Síndrome de Down: O Clube dos livros esquecidos

Esta publicação não é um publipost,

Tags , , , , , , ,

Dia internacional da Síndrome de Down: O Clube dos livros esquecidos

A Editora do Brasil lançou o livro “O clube dos Livros esquecidos” de Fábio Monteiro.

 

Que conta a história de Flora, uma menina muito especial sobretudo devido à sua inteligência e seu modo diferente de ver o mundo.

A leitura é sensível e surpreendente, e propõe o universo criativo de Flora e seus amigos. Trata-se de um olhar poético e figurativo, mas ao mesmo tempo verdadeiro, sobre a Síndrome de Down e a Inclusão Social.

título: O CLUBE DOS LIVROS ESQUECIDOS
isbn: 9788510058001
idioma: Português
encadernação: Brochura
formato: 14 x 20
páginas: 56
ano de edição: 2015
edição:

Hoje é o Dia internacional da Síndrome de Down. E nada mais oportuno a sugestão do mesmo para leitura. O livro já está na lista dos meus desejados e estou aceitando presentes.

 

Tags , , , , , , , , , ,

Dica de Leitura: “Entre silêncios e gestos” de Marcos Arthur.

Hoje estamos iniciando um novo tema aqui no blog: Dicas e Resenhas de livros, lançamentos e novidades das editoras. E quero iniciar indicando o livro “Entre silêncios e gestos” do autor Marcos Arthur, lançado pela Editora do Brasil. O mesmo tem tudo a ver com nosso blog, pois estamos sempre nos esforçando em falar sobre acessibilidade, inclusão, bullying e surdez. Vamos a um breve resumo?

Marcel teve Polimielite quando criança, e como tempo apesar das dificuldades da deficiência e sentimentos que ela trazem como medo e solidão, ele descobre uma maneira de reagir a vida, já que tem talento especial para o teatro de pantomima – a arte de expressar sentimentos por meio de gestos e atitudes, em silêncio. É um relato marcante e emocionante de um jovem que vira o jogo e enfrenta seus piores pesadelos sem emitir uma única palavra, valendo-se apenas de seus gestos preciosos.  Um de seus principais expoentes,  o francês Marcel Marceau, inspirou os pais do personagem principal da obra. Uma frase de Marceau resume sua arte: “Um mágico transforma o visível em invisível. O mímico transforma o invisível em visível”.

O livro também discute a questão da inclusão. Antes, o que algumas pessoas tentavam esconder e excluir por ser diferente, hoje ganhou um olhar mais atento e sensível, pois cada vez mais se percebe que as diferenças podem somar. “Discutir essa questão tão séria já demonstra um avanço, mas há também, ainda, muita discriminação. A importância de se abrir oportunidades a todos, independentemente das peculiaridades de cada um, é enorme, e acredito que, mesmo a passos lentos e com inúmeros questionamentos, chegaremos a uma sociedade mais inclusiva”,

Com certeza um grande exemplo e uma grande inspiração para nós hoje. Eu que não sou bobo já quero o meu e quando ler vou contar aqui o que achei.

Sobre o autor:

Marcos Arthur é músico, compositor, escritor, ilustrador e designer gráfico. Estudou música no Instituto Musical de São Paulo e na Fundação das Artes de São Caetano do Sul. Foi um dos fundadores do premiado Núcleo Zambelê, cuja proposta era a de montar espetáculos essencialmente musicais, dirigidos ao público infanto juvenil. O grupo chegou a receber o prêmio de Revelação, da Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA). Marcos foi indicado também como Melhor Autor em “Vamos Atrás do Raio de Sol” (Prêmio Apetesp) e “Chimbirins e Chimbirons” (Prêmio Mambembe), todas encenadas pelo núcleo. Escreveu e ilustrou seu primeiro livro infantojuvenil “O Avô de Arthurzinho Tocava Moedroca”, em 2014, pela editora Edebê. “Entre silêncios e gestos” é seu primeiro publicado pela Editora do Brasil.

Sobre a Editora do Brasil:

Fundada em 1943, a Editora do Brasil atua há mais de 70 anos com a missão de mudar o Brasil por meio da educação. Como empresa 100% brasileira, foca a oferta de conteúdos didáticos, paradidáticos e literários direcionados ao público infanto-juvenil. Foi fundadora da CBL, SNEL, FNLIJ, IPL e da Abrelivros. Os títulos da Editora do Brasil podem ser adquiridos por meio de seu e-commerce: (http://www.editoradobrasil.com.br/lojavirtual/) ou em livrarias e lojas físicas como, por exemplo, sua loja, em São Paulo (Rua Conselheiro Nébias, 891 – Campos Elíseos).

Serviço:

Autor: Marcos Arthur

Ilustração: Marcos Arthur

Formato: 14 x 20 cm

Número de páginas: 120

ISBN: 978-85-10-06154-4

Preço sugerido: R$ 41,40

www.editoradobrasil.com.br

Leia também: Rótulos, Discriminação, Fofocas e Mentiras – Não!

Tags , , , , , , , , ,