O fim de ano e a tristeza

Professora de Psicologia do Centro Universitário de João Pessoa (Unipê) dá dicas para começar 2020 com o pé direito

João Pessoa, 18 de dezembro de 2019 – O fim de ano é um período de festas e muita animação, em que as pessoas avaliam conquistas, metas alcançadas e se preparam para os desafios que virão no ano seguinte. No entanto, muitos enxergam o período como o fechamento de um ciclo, focam nas perdas e no que aconteceu de negativo, iniciando um período de tristeza em suas vidas.

Imagem: Reprodução da Internet

Segundo a professora de Psicologia do Centro Universitário de João Pessoa (Unipê), Sandra Mousinho, “as pessoas focam no que deixaram de fazer e isso pode causar uma grande frustração, principalmente porque a tendência é sempre comparar as suas realizações com a retrospectiva dos colegas, que é, na maioria das vezes, irreal”.

Para não deixar essa tristeza tomar conta durante as comemorações de fim de ano, a professora Sandra dá algumas dicas:

  • Ocupe-se. Aproveite as horas vagas entre as obrigações de fim de ano para fazer o que realmente gosta. Leia um livro, assista uma série, saia com amigos ou comece um novo hobby. “Quanto mais desocupada fica a mente, maior a tendência a pensar em problemas e acontecimentos negativos. Por isso, é muito importante manter-se ocupado”, conta a professora;
  • Evite confrontos familiares. Manter a paz em encontros de família pode ser uma tarefa árdua, especialmente se as visões e opiniões dos membros são muito diferentes. No entanto, se você sabe que os conflitos vão acabar aparecendo, prepare-se para responder às provocações de forma neutra. Sugira que vocês discutam a questão em um outro momento e mude de assunto;
  • Faça uma lista. Escreva todas as coisas boas que aconteceram na sua vida este ano, sonhos que realizou, viagens que fez, pessoas que conheceu. Aproveite também para colocar no papel suas expectativas para o próximo ano e pense nele como um recomeço, como uma nova chance de conquistar tudo aquilo que não foi possível até então;
  • Compartilhe seus sentimentos. Amigos e familiares devem estar presentes na sua vida mesmo nos momentos mais difíceis. Se algo lhe incomoda ou se você está sofrendo por algum motivo, converse com pessoas próximas. “Questões emocionais precisam ser acompanhadas e compartilhadas. Alguns conflitos internos e dores dificilmente são resolvidos sozinhos. O apoio da família e amigos é essencial”, explica Sandra;
  • Foque no que realmente importa. Arrumar a casa para receber a família no Natal ou os amigos no Ano Novo é muito bom e presentear seus entes queridos, ainda melhor. No entanto, é importante lembrar que a data é um momento para estar perto de quem você gosta e são as companhias e tradições familiares que realmente importam e não uma mesa de Natal farta, decoração impecável ou presentes caros.

A tristeza é muito comum no final do ano pelos motivos apresentados acima, mas é um sentimento que vai embora após alguns dias ou até semanas. Se ela persistir e vier acompanhada de falta de vontade para realizar tarefas diárias, insônia e cansaço, entre outros sintomas que podem caracterizar a depressão, procure ajuda médica para iniciar o tratamento adequado.

Release – XCOM Agência de Comunicação Unipê

Augusto Cury lança campanha de combate ao jogo Baleia Azul

Todo mundo aqui já ouviu falar do jogo Baleia Azul. E  todo mundo conhece o Augusto Cury, psiquiatra e escritor, não é mesmo?

Imagem: Divulgação . Jogo Baleia Azul – Na foto, Augusto Cury que renunciou os seus direitos autorais/patrimoniais para democratizar o acesso ao Programa e atender, gratuitamente, crianças e jovens em situação de risco social.

Então, o Augusto lançou mais um obra, que tem como objetivo promover a autoestima em jovens e adolescentes, demonstrar que há sempre alternativas para as dificuldades enfrentadas e contribuir para que os pais consigam desenvolver diálogo com seus filhos e assim juntos combater o jogo Baleia Azul, cujas principais vítimas têm sido adolescentes que passam por alguma fase especialmente difícil, por exemplo por estar em depressão, por encontrar nessas práticas uma forma de pedir ajuda, ou até mesmo por quererem ser aceitos e admirados no grupo de amigos.

Para tanto, o autor e o Ubook estão disponibilizando, de forma totalmente gratuita, o download do audiolivro “Petrus Logus – O Guardião do Tempo”. O lançamento oficial desta campanha foi feito na noite da sexta-feira, 19 de maio por Augusto Cury durante aconferência “Como educar filhos e alunos na era da ansiedade”, que foi transmitida pelo Facebook.

E foi assim que Augusto, por meio da Escola da Inteligência e o Ubook, lançaram campanha para combater a influência do jogo nos jovens e para orientar os pais em como evitar que seus filhos entrem neste desafio.

Pais, organizações e autoridades do mundo todo estão atentos e angustiados com a proliferação de vítimas do jogo Baleia Azul, ao qual, no início de abril deste ano, já eram atribuídos o suicídio de cerca de 130 adolescentes ocorridos em diversos países.

Por isto, a proposta desta parceria é promover a autoestima, demonstrar que há sempre alternativas para as dificuldades enfrentadas e contribuir para que os pais consigam desenvolver diálogo com seus filhos. Para tanto, o autor e o Ubook estão disponibilizando, de forma totalmente gratuita, o download do audiolivro “Petrus Logus – O Guardião do Tempo”, que marca a estreia de Augusto Cury na literatura juvenil.

Além de disponibilizar de forma gratuita o audiolivro, Augusto Cury, a Escola da Inteligência e o Ubook irão promover uma campanha nas redes sociais incentivando a leitura, o debate entre jovens e o diálogo entre pais e filhos, a fim de evitar que mais pessoas se tornem vítimas deste jogo.

A Escola da Inteligência é um Programa que objetiva desenvolver a educação socioemocional no ambiente escolar. Fundamentado na Teoria da Inteligência Multifocal, elaborada por Augusto Cury, foi pensado especialmente para atender às necessidades de alunos, professores e família, a fim de promover qualidade de vida e saúde psíquica. É considerado o maior programa mundial de desenvolvimento das habilidades socioemocionais, atualmente atendendo diretamente mais de 200 mil alunos em escolas de todo Brasil.

Augusto Cury renunciou os seus direitos autorais/patrimoniais para democratizar o acesso ao Programa e atender, gratuitamente, crianças e jovens em situação de risco social.

“Preocupados com a formação acadêmica dos filhos, muitos pais exageram na pressão quanto à escola e se esquecem de dar atenção ao desenvolvimento da inteligência emocional dos pequenos. No entanto, esse aprendizado é tão importante para o sucesso dos futuros adultos quanto matemática e português”, frisa Augusto Cury.

Justamente por acreditar na importância que a literatura tem para a instrução e formação das pessoas é que o CEO do Ubook, Flávio Osso, celebra a grande satisfação da empresa apoiar esta iniciativa da Escola da Inteligência e do Augusto Cury. “Além desta ação vir ao encontro da nossa filosofia de democratização da cultura, a orientação através da indicação de boas leituras sinaliza a preocupação e o respeito que os pais têm com os filhos e pode ser fator desencadeador de um diálogo leve na família sobre um tema tão sombrio que tem atormentado a sociedade”, indica Osso. Vale ainda destacar que o autor gravou uma introdução especial em áudio para a versão que está sendo disponibilizada.

Acredito ser importante e será uma ferramenta para a sociedade, pois todos nós estamos preocupados com o avanço do jogo Baleia Azul.

 Download

O download do audiolivro, que tem cerca de 8h30min de duração, está disponível no site (www.ubook.com) e no aplicativo Ubook (disponível para iPhones e Androids) e também no site da Escola da Inteligência.

Sobre o Ubook

Lançado no início de outubro de 2014, o Ubook é o primeiro serviço de assinatura de audiolivros por streaming do Brasil. Ele funciona como o Netflix para vídeos ou o Spotify para música: por um valor mensal, ou semanal, é possível ter acesso ilimitado a todo o catálogo através do aplicativo. A plataforma, que já conta com mais de 2 milhões de usuários cadastrados e possui mais de 10 mil títulos em seu acervo, está disponível para Web, iOs, Android e Windows Phone.

Para saber mais acesse www.ubook.com

Sobre a Escola da Inteligência

A Escola da Inteligência é a primeira empresa do Grupo Educacional Augusto Cury e foi criada em dezembro de 2010 na cidade de Colina – SP. Desde 2012, a Escola passou a funcionar em Ribeirão Preto, sob a direção de Camila Cury e Bruno Oliveira.

O Programa inovador é aplicado em 1 hora/aula por semana, dentro da grade curricular, como uma nova disciplina ou dentro de uma disciplina já existente e conta com o auxílio de materiais impressos e audiovisuais, avaliação do desenvolvimento da inteligência socioemocional e formação dos professores, para ensinar os alunos sobre o funcionamento da mente e os comportamentos humanos.

A metodologia da Escola da Inteligência é específica para cada faixa etária, e envolve as seguintes áreas do saber: Neurociência, Psicologia e Filosofia. Atualmente, o Programa atende diretamente mais de 300 mil alunos em instituições privadas e públicas no Brasil. O site do programa é o www.escoladainteligencia.com.br

Informações para a imprensa:

Escola da Inteligência: Medialink Comunicação – (11) 3817-2131

Raul Fagundes Neto – raul.fagundes@medialink.com.br
Fernando Marchi – fernando.marchi@medialink.com.br
Eduardo Vella – eduardo.vella@medialink.com.br
Ana Cunha – ana.cunha@medialink.com.br | (16) 98152-0398

Ubook: Tiro de Letras – Agência de Conteúdo e Comunicação – (11) 2936-9967

Angela Ferreira: +55 11 98262-2218
Eunice Dornelles: +55 11 99425-2755
Scheilla Lisboa: +55 11 99906-2577
news@tirodeletras.com.br

Leia mais:

Das séries que amamos (?) – 13 Reasons Why

Das séries que amamos (?) – 13 Reasons Why

A vida de Hannah Baker chega ao fim na série 13 Reasons Why, depois de passar por uma série de agressões emocionais, física e sexual.

Qual sua parcela de culpa? — Imagem: Reprodução/ Netflix

A série é baseada no livro “Os 13 porquês”, lançado no Brasil pela Editora Ática e contam com 13 episódios/ 13 motivos/ 13 pessoas/ 13 fitas cassetes que foram gravadas pela jovem que relata a dor e o sofrimento nos seus plenos 17 anos. E ela é branca, magra, bonita, olhos claros e heterossexual, e aparentemente não tem nenhum motivo para sofrer bullying.

Adianto que a série “pode” ser vista por todos, mas é necessário um “estômago forte”. Pois trata-se de bullying e até mesmo suicido (no episódio 13, a jovem corta os pulsos e morre).

E confesso que não acho que me enquadro neste grupo, até porque tenho depressão, mas fui até o fim pois de algum modo queria contar para vocês. Além de parte dos assuntos serem discutidos aqui no blog.  Mas de fato não indico para pessoas que podem ter algum transtorno emocional.

Hannah (Katherine Langford) — 13 reasons. Imagem: Reprodução/ Netflix

Com todo este drama, a série levanta a questão: será que ao abordar o suicidio, dessa forma,  não estaria incentivando jovens com depressão a se suicidar?

O site O Globo conversou com especialistas sobre o assunto:

— Não é uma opinião pessoal, e sim um fato: a veiculação ou divulgação de um suicídio pode inspirar pessoas que pensam no assunto — diz Carmita Abdo, presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). — Se, por um lado, estamos nos solidarizando pela Hannah e mostrando os riscos que ela pode sofrer dentro de situações cotidianas, por outro estamos, talvez sem saber, dando munição para muitos indivíduos que sofrem de desequilíbrio mental. Uma saída para a ficção é falar sobre o suicídio como algo que se pode combater, em vez de se afirmar somente que é um evento horrível.

O site também traz o relato da Gerente de comunicação da Netflix no Brasil, Amanda Vidigal: No fim do 13º e último episódio, a Netflix exibe um documentário de 30 minutos com atores, produtores e psiquiatras alertando sobre os perigos e impactos psicológicos dos temas retratados na série. Também traz um link (13reasonswhy.info) no qual jovens que enfrentam problemas semelhantes podem buscar ajuda — no Brasil, os contatos do Centro de Valorização da Vida, o CVV, estão disponíveis. Além disso, no começo dos episódios com conteúdo de violência ou abuso sexual, uma mensagem é exibida recomendando a discrição do espectador.

Clay (Dylan Minette protagonista de 13 Reasons) — Imagem: Reprodução/ Netflix

— ‘Trata-se de uma ficção, um produto de entretenimento, mas que aborda temas sensíveis e que necessitam de um certo cuidado. Esse cuidado existiu, a produção contou com a consultoria de profissionais de saúde durante todo o processo’.

Independente da minha opinião, desde a sua estreia subiu em 445% o número de e-mails com pedidos de ajuda recebidos pelo Centro de Valorização da Vida (CVV). Houve alta ainda de 170% na média diária de visitantes únicos no site.

Enfim, cenas torturantes e tristes que somente uma pessoa que já sofreu e sofre com o bullying e depressão vai entender. E que talvez esse seja o motivo de tamanho sucesso nas redes sociais. Uma coisa é certa, o tema deve ser discutido, e as práticas evitadas. Ressalto que série agora tem a responsabilidade de mostrar que o suicidio não é o fim, que sempre há uma saída. E não resolve os nossos “fantasmas”, apenas passa a dor adiante para familiares, amigos e para a comunidade.

O bullying deve ser discutido e afeta a vida de quem sofre. Também a depressão deve ser tratada. E os pais e educadores podem contribuir, portanto fiquem de olho. Termino este post, com 3 motivos para não desistir da vida, publicado na íntegra no site Jw.org. 

Se você está passando por uma fase ruim, nao se desespere, leia os artigos acima, clicando em cada um deles, procure ajuda de seus pais, professores ou outro adulto maduro, quem sabe o CVV?

Formas disponíveis para pedir ajuda no CVV.

 

E não esqueça Deus, ore a ele e peça forças, compreensão e sabedoria.

Lembre não é o fim do túnel, estamos com você.

Serviço:

13 reasons Why

Com Dylan Minnette como Clay Jensen, Katherine Langford como Hannah Baker, Christian Navarro como Tony Padilla, Alisha Boe como Jessica Davis, Brandon Flynn como Justin Foley, Justin Prentice como Bryce Walker, Miles Heizer como Alex Standall, Ross Butler como Zach Dempsey, Devin Druid como Tyler Down, Amy Hargreaves como Lainie Jensen, Derek Luke como Kevin Porter e Kate Walsh como Olivia Baker.

Direção Executiva: Selena Gomez.

Exibição: Netflix

Leia também: 

Impressões trazidas pelo vento!

A beleza da diversidade, do talento e do respeito

Vamos combater o Bullying entre Nós!

 

 

De onde vem a desmotivação? – By Álvaro Fernando

Muitos conseguem acordar bem-disposto todos os dias, e nunca pensaram em desejar que o tempo passe rápido até o fim do expediente em uma sexta-feira. Mas, se para outros a maior parte das atividades rotineiras parece um martírio, há um claro indício de que está faltando motivação na vida.

Problemas desse tipo são cada vez mais habituais, afinal, é comum ouvir que está errado “se contentar com pouco”, o que nos leva a traçar objetivos sempre mais difíceis – sem tempo para desfrutar aquilo que chamamos de vida. Quando temos dificuldade em identificar o nosso propósito na vida ou, ainda, acreditamos que a ambição material e a fortuna são os segredos da felicidade, é muito provável que nunca estejamos satisfeitos e muitas vezes nos sentimos deprimidos e amedrontados.

Quando telefonamos paraa alguém perguntando como anda a vida, é habitual que se escute: “na correria”. Mas quando ligamos novamente, a mesma pessoa continua “na correria”. Já reparou? Essa é uma colocação engraçada, podemos imaginar a pessoa correndo em uma esteira de ginástica, sem chegar a lugar algum. É esse “onde chegar” que muitas vezes nos motiva.. Se motivação tem sido um problema em sua vida, reflita sobre os conselhos abaixo:

1 – Viva o presente
Estamos, na maior parte do tempo, pensando no passado (“eu deveria ter feito aquilo”) e no futuro (“amanhã farei isso”). Geralmente, só trazemos nossa mente para o presente quando algo muito bom está acontecendo (pergunte a um surfista no que ele pensa enquanto surfa, e ele provavelmente responderá: “nada” – Ele está no presente!). Encarar a vida dessa forma gera excesso de ansiedade e preocupação, nos deixando desmotivados. Para se libertar desse estresse, é preciso viver no presente, o passado traz culpa e arrependimento e o futuro ansiedade e preocupação.
2 – Filtre as informações negativas
Recebemos muitas informações o tempo todo, nem sempre de fontes apropriadas. Certas notícias nos deixam deprimidos e assustados, especialmente no noticiário, pois nos sentimos impotentes diante de situações negativas que não podemos mudar. Devemos moderar a exposição a fatos negativos, distante de nossos interesses e longe de nosso âmbito de ação.

img_1737
3 – Se conheça e busque o equilíbrio
Você sabe como é sua rotina (ou seja, tem consciência do que “faz”). Mas, muitas vezes, o que fazemos não é aquilo que, de fato, somos. O autoconhecimento é fundamental para ter prazer em uma atividade e se sentir motivado.

4 – Aproveite aquilo que a vida lhe oferece
Você não gosta do seu trabalho? Se não consegue pensar em nenhum aspecto positivo, pode ser o caso de procurar outro emprego. Mas, antes, faça a reflexão: quantas pessoas gostariam de estar no seu lugar? Quantas pessoas gostariam de não estar sozinhas? Tente valorizar o que já conquistou até aqui (e o seu trabalho, mesmo que tenha defeitos, faz parte disso).

img_1738

————-
*Alvaro Fernando é especialista em habilidades conversacionais e em comunicação e persuasão. Fernando é premiadíssimo compositor de trilha sonora, vencedor de três leões em Cannes, duas medalhas em New York Festival e três estatuetas no London Festival.
Há mais de 25 anos no mercado, atua com os principais anunciantes dentro e fora do país. http://www.alvarofernando.com.br

————

Crônica: A dor…

Aquela dor que não se explica, que se sente

Aquele sentimento inevitável, que não sai

Mesmo depois de horas de alegria e descontração.

Aquela  dor que ninguém entende, e pensam

que estou exagerando, ou que sou muito fresco.

Aquela terapia, aquela consulta, aqueles remédios,

que ainda preciso, e às vezes pareço não aguentar mais.

Daí é aquele desejo de acabar com tudo, mas que de fato não é a solução.

Imagem: http://www.escolapsicologia.com/aceitacao-um-elemento-chave-na-formula-da-positividade/
Imagem: http://www.escolapsicologia.com/aceitacao-um-elemento-chave-na-formula-da-positividade/

Não que não tenha direito de lamentar enquanto ainda estou sofrendo,

por uma doença invisível, e sim que posso ter certeza dias de ser feliz chegarão.

Dias para sorrir, dias melhores por aí.

Persista!

Bullying – Wentworth Miller, o Michael Scofield de Prison Break

Nós do Blog dos Perné’s gostamos muito de falar sobre saúde mental, uma vez que hoje em dia é raro pessoas que em algum momento de suas vidas não passam ou já passaram por desde uma simples ansiedade ou pressão psicológica até por algum tipo de doenças, distúrbios ou transtornos mentais.

Recentemente o ator Wentworth Miller que viveu o Michael Scofield, protagonista da série Prison Break, relatou o drama vivido por ele, onde passou por um momento de depressão grave a alguns anos atrás, sendo ainda tendo sofrido bullying por parte da impressa. Vamos ao relato?

“Hoje eu virei alvo de um meme na internet. Não foi a primeira vez. Mas este foi diferente dos outros. Em 2010, semiaposentado da atuação, eu levava uma vida discreta por várias razões.

 A primeira e mais importante, eu era suicida.

É um assunto do qual eu já falei, escrevi, compartilhei. Mas naquele tempo eu sofria em silêncio. Como muitos o fazem.  Envergonhado e sofrendo, me considerava uma mercadoria estragada. E as vozes na minha cabeça me levaram para um caminho autodestrutivo. Não foi a primeira vez. Sofro com depressão desde minha infância. É uma batalha que me custou tempo, oportunidades, relacionamentos e muitas noites sem dormir.

 Em 2010, no ponto mais baixo da minha vida adulta, eu estava procurando em qualquer lugar por um conforto, uma distração. E encontrei isso na comida. Poderia ter sido qualquer coisa. Drogas. Bebidas. Sexo. Mas comer se tornou a única razão para eu seguir em frente. Houve épocas em que o ponto alto da minha semana era minha comida favorita e um episódio novo de ‘Top Chef’. Às vezes, era o bastante. E eu engordei. Grande coisa.

 Um dia, durante uma caminhada com um amigo em Los Angeles, nós cruzamos com uma equipe filmando cenas para um reality show. E, sem eu saber, havia paparazzi por perto. Eles tiraram uma foto minha, que foi publicada ao lado de uma imagem minha de uma outra época na minha carreira. ‘Gato a Gordo’, ‘Forte a Flácido’, etc.

 Minha mãe tem uma dessas ‘amigas’ que é sempre a primeira a contar notícias ruins. Ela pegou um desses artigos de um revista e mandou por e-mail para minha mãe. Ela me ligou, preocupada.

Em 2010, batalhando pela minha sanidade mental, isso era a última coisa que eu precisava. Em resumo, eu sobrevivi. E as fotos também. Ainda bem.

wentworth-millermontagemface
“Quando você escapa da prisão e descobre o monopólio do McDonald’s” – Dizia a legenda da montagem.

 Agora, quando vejo essa foto de mim com a camisa vermelha e um raro sorriso no rosto, eu lembro da minha luta. Minha resistência e perseverança frente a todos os meus demônios. Como um dente de leão que nasce pelas rachaduras do asfalto, eu persisti.

 A primeira vez que vi esse meme aparecer no meu feed de notícias, tenho que admitir, foi difícil. Mas, como tudo na vida, sou eu que escolho qual significado vou dar a isso.

E o significado que eu dou à essa imagem é Força. Cura. Perdão.

Se você ou alguém que você conhece está sofrendo, busque ajuda. Mande uma mensagem. Envie um e-mail. Pegue o telefone. Alguém se importa.

E essa pessoa está esperando para te ouvir.

Com amor, W.M.”  Continue reading “Bullying – Wentworth Miller, o Michael Scofield de Prison Break”

Entenda a Depressão – Os sintomas

Olá, vamos entender um pouco mais a respeito da Depressão?

A depressão se manifesta de diversos modos, de acordo com a pessoa.

Pode haver casos que os sintomas emocionais de tristeza, desânimo, falta de interesse sejam mais ou menos intensos e em outros a depressão pode se manifestar-se sobretudo de forma física como dores, alterações no sono, falta de energia, fadiga.

Os sintomas que geralmente estão associados à depressão são a tristeza, a baixa autoestima e a falta de interesse. No entanto, de acordo com certo estudo as dores de cabeça, nas costas e ombros, e as dores generalizadas são também exemplos de sintomas físicos dolorosos que afetam em média 65% das pessoas deprimidas. Fizemos uma pesquisa e relacionamos abaixo um dos principais sintomas, que tal conhece-los melhor?

images (2)

Humor Deprimido: O indivíduo com o humor deprimido ocasionalmente se apresenta triste, denota sinais de desesperança e descrença em si mesmo. O pessimismo é uma característica marcante nestes casos, pois o indivíduo entende que a vida lhe ofereceu obstáculos insuperáveis. Em alguns casos queixas somáticas, indiferença ou ansiedade são descritas no lugar do sentimento de tristeza.  A vida parece não ter mais sentido e há a presença de uma anestesia afetiva. Algumas características como expressão facial carregada, rugas fortes, olhos lacrimejantes e aspecto descuidado são muito presentes. Não há regras, mas normalmente o humor deprimido é mais forte pela manhã, aliviando um pouco ao longo do dia.

– Perda de interesse e prazer: A perda do interesse ou prazer frequentemente está presente pelo menos em algum grau. Os indivíduos costumam relatar a perda de interesse por atividades que anteriormente despertavam prazer, incluindo as atividades profissionais, sexuais ou mesmo algum tipo de lazer.

images– Alteração no apetite: O apetite normalmente fica reduzido, mas há casos em que ele aumenta significativamente. Nos casos de aumento do apetite o indivíduo privilegia alguns alimentos específicos, tais como doces ou carboidratos em sua dieta. Em casos graves, a perda ou ganho de peso também pode ser visivelmente percebido. A perda de peso marcante pode ser identificada através do parâmetro indicado na CID 10 – perda de 5% ou mais do peso corporal no mês anterior.

– Perturbação do sono: O indivíduo pode apresentar insônia intermediária, terminal ou inicial. Insônia inicial é entendida pela dificuldade para adormecer. Insônia intermediária é aquela em que o indivíduo desperta durante a noite e então sente dificuldade para adormecer novamente. Insônia terminal é caracterizada por um despertar muito cedo e impossibilidade de retomar o sono. Com menor frequência a sonolência excessiva, seja noturna ou diurna, é observada em pessoas com o diagnóstico de depressão.

– Alteração nas atividades psicomotoras: As alterações incluem agitação ou retardo psicomotores e são observáveis no comportamento do indivíduo que elas apresentam. A agitação pode ser indicada por alguns comportamentos como: incapacidade de ficar sentado quieto, ficar andando sem parar de um lado para outro, agitar as mãos, manipular a pele, roupas e outros objetos ansiosamente. Já o retardo psicomotor pode ser identificado por outros comportamentos como: discurso, pensamentos ou movimentos corporais lentos, como por exemplo longas pausas antes de responder a uma pergunta, fala diminuída com volume excessivamente baixo e pouco repertório ou mutismo. É importante ressaltar que para ser utilizada como critério diagnóstico a agitação ou retardo psicomotor devem ser suficientemente graves a ponto de ser nítidos à observação de outra pessoa.

images (1)

– Fadiga: Frequentemente o indivíduo apresenta energia diminuída, cansaço e fadiga persistentes, mesmo quando não há esforço físico. Tarefas leves e simples se tornam demasiadamente exaustivas nestes casos.

– Sentimento de culpa e inutilidade: pode incluir uma avaliação negativa que um indivíduo faz de si, não reconhecendo seu valor ou potencial. Se sente culpado ou recrimina-se acerca de pequenos fracassos do passado.

Prejuízo na capacidade de pensar, atenção e concentração reduzidas e dificuldade para tomar decisões: A queixa de dificuldade de memória nestes casos também é frequente, tendem a se recuperar por completo, após tratamento adequado as faculdades do pensamento, atenção, concentração e memória.

– Ideias recorrentes de morte ou suicídio: Pensamentos sobre morte, ideação suicida ou tentativa de suicídio são comuns, porém a frequência, intensidade e letalidade destes pensamentos são variáveis. O grau de prejuízo associado com um Episódio Depressivo Maior varia, mas mesmo nos casos leves deve haver um sofrimento clinicamente significativo ou alguma interferência no funcionamento social, profissional ou em outras áreas importantes. Quanto a este fato, somos enfáticos em dizer: NÃO recorra a ele, mesmo quando tudo parecer sem saída, pois SEMPRE há uma alternativa em vida, SEMPRE haverá uma pessoa que te ama mais que você e que pode e está louca para te ajudar.

A Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10 sugere que a avaliação do desempenho social e laborativa habituais de um indivíduo se torna um guia útil para a avaliação provável do nível de gravidade do episódio, pois normalmente o episódio depressivo desencadeia sofrimento ou prejuízo nas várias esferas da vida de uma pessoa.

No entanto, enfatiza a importância de se levar em consideração as influências individuais, sociais e culturais no julgamento clínico, uma vez que estes fatores podem perturbar a relação entre a gravidade dos sintomas e o desempenho social.

Nesta classificação sugerida pela CID-10, um indivíduo com episódio depressivo leve apesar de sentir-se angustiado pelos sintomas e apresentar alguma dificuldade em desempenhar as atividades laborativas e sociais não as deixa de exercer por completo. Um indivíduo com episódio depressivo moderado apresentará dificuldade considerável para continuar exercendo suas atividades. No caso de um indivíduo com episódio depressivo grave é muito pouco provável que seja capaz de exercer as atividades laborativas, sociais e domésticas.

images (4)Nos casos de depressão a dor psíquica não é só pelo que se passou, mas também pelo estado atual em que a pessoa encontra-se. É muito comum que uma pessoa deprimida deprima-se ainda mais quando se dá conta de seu estado letárgico e imóvel frente à própria vida.

A associação de fármacos e psicoterapia é a maneira mais eficaz e adequada no tratamento da Depressão, provocando melhores resultados que ambas as intervenções isoladas. Quando uma pessoa apresenta um conjunto destes sintomas e estes interferem de forma importante com a vivência cotidiana, é fundamental consultar o médico. O reconhecimento dos sintomas e o diagnóstico em fase inicial é importantíssimo e ajudam a ultrapassar a doença com maior sucesso e a minimizar o número de recaídas.

Independente do grau dos sintomas não desvalorize nenhum deles, sejam emocionais ou físicos, pois podem estar associados à depressão, principalmente se se agravarem ou perdurarem por mais de duas semanas consecutivas.

 

Sorriso

Lembre-se, a depressão tem tratamento e cura. E num próximo artigo falaremos mais sobre esse assunto de forma mais detalhada. Enquanto isso: Busque ajuda. Faça atividades físicas, recorra aos profissionais da área como psiquiatras e psicólogos, a amigos e parentes e o mais importante a Deus!

 Juntos nós venceremos a depressão e seus terríveis sintomas! Até a próxima e sorriso no rosto!

Entenda a depressão 1 – Se doenças normais fossem tratadas com a depressão!

O mal do século: A depressão e suas várias facetas!

Faremos uma série para que possamos entender melhor a depressão e as pessoas que a tem. Antes de mais nada vejamos palavras comuns que não animam que ouvimos e não nos ajudam de pessoas bem intencionadas:

O que ouvimos quando temos depressão! -
                           – “Esqueça!” e “Faça um esforço!

O que ouvimos quando estamos deprimidos!
                                  -“Tente” e “faça algo!”

O que ouvimos de pessoas "bem intencionadas".
    – “Você não está tentando” e “Não é necessário                                                estes remédios”.

 

Triste realidade! Quer entender e realmente ajudar seus amigos e ente queridos? Nunca diga isso, mesmo que tenham boas intenções. Seja paciente e amoroso e motive de verdade. Como fazer isso? No próximo post abordaremos o assunto.

Até lá!

 

Ser surdo: A vida como ela é!

Baseados em fatos reais:

Imagine que está num país que em você desconhece a língua falada local. Além disso, você está preso dentro de uma sala fechada de vidro, a prova de som. 

As pessoas passam, elas te enxergam, você as vê. Algumas tentam falar com você mas você não as entende. Pode ser que consiga entender uma palavra ou outra mas desconhece o significado ou contexto da mesma. 
As pessoas batem no vidro, gesticulam e fazem mímicas e você nada de entender. Algumas escrevem ou desenham. Outras gritam e perdem a paciência em se comunicar com você com o tempo. Como se sentiria? 

Imagine agora, que isso aconteça todos os dias e você não pode fazer nada a não ser esperar o dia passar e noite chegar. E no dia seguinte você acorda com esperança que esse dia vai ser diferente, mas tudo parece um “dejavu” do dia anterior. Tudo que aconteceu anteriormente se repete. Como se sentiria?

De fato, isso acontece diariamente com cerca de 9,7 milhões de surdos ou pessoas com problemas de audição no Brasil. Estamos presos numa sala de vidro, onde não somos compreendidos e não escutamos ou escutamos e não compreendemos o que é dito. Onde pessoas repetem quando não escutamos, em determinado momento gritam achando que vai nos ajudar e que temos obrigação de ouvir e entender tudo que eles dizem, já que muitos de nós temos até aparelhos auditivos.

Surdos, podem se isolar quando não se sentem amados por familiares e amigos próximos!

Diariamente os surdos lutam para sobreviver no mundo ouvinte e egoísta em que a grande maioria de fato nãos os compreendem. 
Muitas pessoas se sensibilizam é verdade. Mas poucos agem, poucos tem paciência e vontade de ajudar. Infelizmente, esta é a realidade de nossas vidas e ela não é fácil para muitos de nós surdos ou que não escutam bem. Falo por mim, por minha mãe, tias, primas, irmã e tantos amigos. Isso me deixa muito triste, mas do que alguém possa imaginar.

Quer ajudar? 
Ajude, mas que seja de coração. 
Seja paciente, bondoso e tenha empatia. 
Fale devagar e em tom normal.
Aprender a língua de sinais ajuda? Sim, ajuda demais, mas se você não tem as qualidades já mencionadas não vai ser de muita ajuda.

Para ler mais: