Clube de Cartas – O Envelope

Há quanto tempo você não envia ou recebe uma carta de alguém querido? Sei que é difícil lembrar da última, até porque a tecnologia nos trouxe a rapidez de envio e retorno para falarmos com quem esta longe.

Minhas 4 primeiras correspondências, 2 cartinhas e 2 postais.

Eu lembro quando foi a minha última, a 4 anos, para uma amiga jornalista de São Paulo. E recentemente descobri no Instagram uma conta chamada o Envelope, que incentiva a troca de cartas, e proporciona aos membros uma lista com mais de 500 possíveis novos amigos pessoas.

Quer participar também? Saiba como no site do O envelope, clicando aqui.

Atendente dos Correios (AC ESMERALDA/GO), postando minhas correspondências.

Entrei, e escolhi da lista 4 correspondentes, e enviei hoje as minhas 4 primeiras correspondências. E que gostoso dedicar algum tempo e amor para colocar no papel aquela mensagem.

Agora é só esperar o retorno. 🙂

Correios promovem o Bem Estar em Goiânia

Foi realizado ontem, no Espaço Cultural do edifício-sede dos Correios em Goiânia/GO, o lançamento oficial do projeto piloto Clube de Corrida, Caminhada e Ginástica Funcional.

Em parceria com a Top Eventos, o projeto do Clube de Corrida, é uma ação do Programa de Bem-Estar no Trabalho que busca promover saúde e qualidade de vida por meio da prática de atividades físicas e da adoção de hábitos saudáveis.

Parte dos coordenadores e participantes do projeto
Clube de Corrida, Caminhada e Ginástica Funcional. – Foto: CORREIOS/GO

Todos os participantes receberam as principais informações sobre as atividades, avaliações físicas e consultas com a nutricionista, e serão avaliados por profissionais e professores do departamento de Educação Física e Nutrição da Estácio, antes dos inícios das atividades.

Após a reunião, foi servido um lanche com mini sanduíches saudáveis, suco e salada de frutas. Estive lá para acompanhar a novidade pois quero e pretendo participar das atividades. Em breve trago mais informações!

O mundo ainda precisa de Correios?

No dicionário Michaelis, a definição de correio  é “repartição pública para recepção e expedição de correspondência”. Na nossa vida real, antigamente pode ser que para nós vinha a nossa mente um atendente contando palavras para taxar telegramas, e e em ao seu redor, um monte de cartas se acumulavam à frente do carimbador e da ficha de selos, depois, à espera da triagem. E finalmente um carteiro chegava em nossa porta, trazendo nossas as cartas que vinham de terras mais distantes, trazendo tristezas e alegrias, um beijo e cheiro da pessoa amada.

De fato, os anos se passaram, e com isso o mundo evoluiu, novas tecnologias chegaram e chegam até nós a todo momento. As cartas continuam, mas com diferentes propósitos, por exemplo, para falarmos com quem está longe a substituímos as cartas por emails, mensagens de textos e outras formas mais rápidas.

O que os Correios tem para você hoje? – Imagem: UOL HOST/ Reprodução

Pensando nisso, é apropriado compartilhar na integra o texto abaixo que faz parte do “Programa 10 em 1”, da Empresa Brasileira de Correios, promovido pelo DPLAN – Departamento de Planejamento Estratégico.

Mas será que as pessoas ainda precisam desse tipo de correio?

Desde os anos 90, os negócios postais envolvendo mensagens em papel têm seus dias contados. Embora esses “dias” tenham durado duas décadas, agora eles realmente estão perto de chegar ao fim, ao menos como negócio relevante. Apesar de a receita com entrega de mensagens ainda ser representativa nos correios de todo o mundo, a queda se acentua rapidamente. De 2005 para cá, 100 bilhões de cartas deixaram de circular no mundo. De 2006 a 2016, a queda foi de 43% na Austrália, 32% no Canadá e 37% nos Estados Unidos, para ficar nos países mais semelhantes ao Brasil em território. A velocidade dessa queda aumenta drasticamente. Perder perto de 40% da receita coloca em xeque qualquer negócio.

O mundo digital avança cada vez mais rapidamente e transforma a indústria postal. Boa parte dos jovens economicamente ativos mal sabe o que é telegrama. Nas mãos dos carteiros teremos cada vez menos papel. Hoje, com faturas no celular, pagamos quando quisermos e onde estivermos, em vez de ter o trabalho de rasgar o lado daqueles envelopes que nunca abrem no picote. Encomendas ainda existirão por muito tempo, mas não como antes. Os pacotes agora têm “fios invisíveis” que os ligam a sistemas inteligentes e conversam com clientes, empresas, governo e com quem mais quiser. Esse novo mundo exige outros tipos de competências.

Então, qual a resposta para a pergunta do título? O mundo ainda precisa de correios?

Vejamos o que alguns estão fazendo para responder.

O correio australiano tem estratégia bem clara: “somos parte do futuro”. Como? “Entregando um futuro melhor para nosso povo, clientes e comunidades”. Sai a entrega de um papel que alguém mandou, entra a entrega de um futuro melhor. Focos definidos: conexão entre pessoas e empresas, digitalização e co-criação de soluções multicanal e e-governo.

Já o correio canadense quer “fornecer soluções inovadoras de entrega física e eletrônica que criem valor para clientes, colaboradores e todos os canadenses”. Não se consideram mais empresa de cartas, mas de encomendas – querem competir com a Amazon. O Relatório Anual do BPost, o correio belga, tem como título: “sempre em movimento”.

O dos Estados Unidos: “um Serviço Postal viável que agrega valor ao cliente e une a nação na era digital”. O foco: transações eletrônicas e mídias digitais e a competição pela última milha. Ou seja, eles querem unir a nação e aproveitar a proximidade com o cliente.

Voltemos, novamente, à pergunta: o mundo ainda precisa de correios?

Vai depender de que correio estivermos falando – se for daquele que foi ótimo, mas que hoje é ultrapassado, o mundo não precisa mais. Mas se estivermos falando de um correio presente, ágil, digital, que ajude a melhorar a vida das pessoas, aí a história muda. Os correios que estão prosperando nestes novos tempos são aqueles que se transformaram.

Operadores postais de todo o mundo concordam em uma coisa: mesmo neste novo mundo digital, as pessoas ainda serão de carne e osso, morando em algum lugar físico e cada vez mais ansiosas pela experiência de serem bem atendidas, em casa ou onde quiserem. Quem estiver preparado, ganha o jogo. A proximidade com o cliente e com o cidadão será, cada vez mais, um enorme viabilizador de negócios, principalmente para quem já tiver uma marca confiável.

Sim, o mundo precisa do correio – mas de um correio novo. E então, que correio queremos ser?

Fonte: DPLAN – Departamento de Planejamento Estratégico/CORREIOS

Veja também: 

Correios entregam o Kit da TV Digital em Goiânia

354 anos dos Correios no Brasil e o Dia do Carteiro

Correios entregam o Kit da TV Digital em Goiânia

Já contamos aqui,no blog que no dia 31 de maio de 2017, o sinal analógico de televisão será desligado em Goiânia/GO e região. E a programação dos canais abertos de televisão, como Globo, SBT, Record, Band serão transmitidas apenas pelo sinal digital. Para continuar assistindo à programação, todas as residências da região precisam ter uma antena para TV digital e um aparelho de televisão preparado para receber o sinal digital.

Por isso surgiu o Seja Digital, uma empresa responsável por operacionalizar a migração do sinal analógico para o sinal digital da televisão no Brasil. A empresa além de oferecer suporte didático, desenvolve campanhas de comunicação e mobilização social e distribui kits para TV digital para as famílias cadastradas em programas sociais, como o Bolsa Família. Todos os usuários que tem direito em receber o kit podem comparecer no local e horário indicado na carta enviada no endereço cadastrado.

Os Correios, por meio da Diretoria Regional de Goiás, iniciaram a parceria com o Governo Federal para entrega dos mais de 260 mil kits gratuitos com antena para TV digital e kit conversor. Eu estou muito feliz em fazer parte da equipe de trabalho dos Correios, na Agencia Esmeralda, aqui na Vila Brasília em Aparecida de Goiânia.

No momento minha posição é no atendimento e registro de entrega dos Kits. Além disso, os beneficiários também recebem treinamento de como montar a antena e o kit. E a informação de que todos que realizarem a instalação completa do kit conversor na sua TV, receberão um código para participar da Instalação Premiada e concorrer a 50 TVs de LED e um prêmio final R$ 500 por mês durante um ano.

A tecnologia tem seu lado bom e traz benefícios a população. Parabéns ao Governo Federal, Anatel e EAD ( pelo projeto. Espero que muitas famílias realmente carentes (atenção, Governo tem muitas pessoas que aparentemente tem condições de obter o kit) possam usufruir desse avanço e assistir a sua TV com maior qualidade. Seja Digital: o fim da TV analógica no Brasil. 

Seja Digital – o fim do sinal analógico no Brasil

Começou no Brasil, a contagem regressiva para a conversão do sinal analógico da TV para o digital. O cronograma de desligamento de cada cidade foi definido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

A primeira cidade a contar totalmente com o sinal digital foi Rio Verde, em Goiás. A experiência realizada no início de 2016 funcionou como projeto piloto. O município tem uma população de 207 mil pessoas, com 69 mil domicílios.

No Distrito Federal, segundo o presidente do Gired e da Anatel, Juarez Quadros, 98,1% das residências contam com o sinal digital. Brasília foi a primeira capital a ter recepção unicamente digital no país a partir de 26 de outubro. Sobre o processo de desligamento do sinal analógico em Brasília e nas nove cidades do entorno do Distrito Federal foi realizado entre os dias 26 de outubro e 17 de novembro do ano passado. A região tem aproximadamente 4 milhões de habitantes, com 1,2 milhões de domicílios.

A notícia é boa, pois com a evolução tecnológica, proporcionará uma qualidade de imagem e som muito melhor para todos os canais abertos. Ou seja, ao trocar o sinal, a programação será mais nítida e terá maior riqueza em detalhes. A digitalização vai acabar com aqueles “fantasmas” da TV analógica, ou os famosos chiados e chuviscos.

Na internet, o preço do kit conversor está na média de R$ 72 a R$ 125. Um valor alto, principalmente para pessoas com baixa renda.  E a outra boa notícia, é que para as pessoas de baixa renda, o Governo Federal, informou que ainda hoje as operadoras de telefonia móvel Algar, Claro, TIM e Vivo vencedoras do leilão de 700 MHz, deverão depositar duas parcelas devidas à EAD por conta da utilização da faixa para transmissões de 4G após o fim da TV analógica. O valor total que deve ser pago, com correção monetária, é de R$ 2,6 bilhões. O valor original de cada parcela era de R$ 1,1 bilhão. Ele será utilizado no fornecimento dos kits gratuitos da TV Digital. Ou seja, a população de baixa renda e beneficiários de programas sociais do governo federal poderão receber gratuitamente o kit com antena e conversor.

O kit SEJA DIGITAL, serão distribuídos para famílias de baixa renda em Goiânia e região.

Os Correios iniciaram na última semana parceria para entrega dos mais de 260 mil kits gratuitos com antena para TV digital, conversor e controle remoto distribuídos pela Seja Digital para famílias inscritas em programas sociais do Governo Federal na região de Goiânia.

No dia 31 de maio de 2017, o sinal analógico de televisão será desligado em Goiânia e região. A programação dos canais abertos de televisão será transmitida apenas pelo sinal digital. Para continuar assistindo à programação, todas as residências da região precisam ter uma antena para TV digital e um aparelho de televisão preparado para receber o sinal digital.

Até dezembro de 2018, mais de 1.300 cidades terão o sinal analógico dos canais abertos de televisão desligado. Para saber a data de desligamento de sua cidade, clique aqui.

Para saber sobre a entrega de kits, há informações no site sejadigital.com.br/kit, ou ligue gratuitamente para o número 147 com o CPF ou NIS (Número de Identificação Social) em mãos.

354 anos dos Correios no Brasil e o Dia do Carteiro

Era o ano de 1500, e dificilmente não seja do conhecimento de todos nós brasileiros, que Pedro Alvares Cabral, chegou ao Brasil. E que nos primórdios dos serviços postais no Brasil reportou-se a Portugal – a “certidão de batismo do Brasil” a carta de Pero Vaz de Caminha, que anunciou ao rei  o descobrimento da nova terra.

O que talvez não saibam, é que naquela época, em tempo de viagens e notícias lentas, veio então alferes João Cavalheiro Cardoso a tomar efetivamente posse do cargo de auxiliar do Correio-Mor no Rio de Janeiro em 30 de julho de 1663. Nesse ano, desse modo, iniciou-se oficialmente o serviço postal no país. Mas por uma tradição que se consolidou no século XX, fixou-se a data de criação do Correio-Mor no Rio de Janeiro, comemorada em 25 de janeiro.
Outro fato bastante interessante, é que o mensageiro Paulo Bregaro, entregou a D. Pedro I, no dia 7 de setembro de 1822, a correspondência da Imperatriz Leopoldina informando sobre novas exigências de Portugal com relação ao Brasil. Ás margens do Riacho do Ipiranga, D. Pedro a recebeu e reagiu às imposições da Corte e declarou no ato a Independência do Brasil, associando assim os Correios a um dos mais importantes momentos brasileiros.
Prêmios: Mensalões e reclamações ficam a parte neste momento, pois a Empresa vem recebendo consecutivamente prêmios desde 2002 (pela 14ª vez) como a instituição mais confiável do Brasil, graças o empenho de mais de 115 mil funcionários. Instituição que pela grandiosidade posso afirmar que tenho orgulho de fazer parte.

Dia do Carteiro – Imagem: Reprodução

Dia do Carteiro: Sim, e é hoje, dia 25 de janeiro, que os Correios comemoram os 354 anos de serviço postal no Brasil e é também, a data dedicada ao profissional responsável pela credibilidade e reconhecimento da população à instituição: o Dia do Carteiro. E de tantos empregados, mais de 50% (58.680) são carteiros, profissionais responsáveis e comprometidos com a entrega de bilhões de objetos postais em todos os cantos do país, atividade com desempenho reconhecido por variadas premiações e pesquisas. Em Goiás, são aproximadamente 1.700 carteiros.  tanto no Brasil quanto em Goiás o número de mulheres na profissão é de em média 10% do efetivo. A todos eles, bravos homens e mulheres, eu desejo o melhor, o reconhecimento, a confiança e respeito, além de melhores condições de trabalho e muitas alegrias no trabalho, sempre!
Agradecimentos: Assessoria de Comunicação dos Correios em Goiás, pelas informações.

Tributação de produtos comprados no Exterior

           Com o avanço da tecnologia e com o crescente lançamento de produtos importados que inclusive demoram para chegar no Brasil e quando chegam, estão com um preço absurdamente alto e desleal se comparado ao preço no país de origem, muitas pessoas recorrem a lojas internacionais que entregam no Brasil, para a compra do tão sonhado celular, tablet, utensílios domésticos, peças de carros, roupas, perfumes e até brinquedos. 

Embora os preços em dólar ou euro, somados com valores altos de frete, muitas vezes fiquem ainda abaixo dos praticados por muitos produtos vendidos por aqui, existe a probabilidade de sua compra ser tributada atendendo a um decreto do Ministério da Fazenda. 

Por que pagamos impostos sobre importação?
 
      Basicamente, os impostos que incidem sobre as operações de importação visam proteger o mercado interno brasileiro. Por exemplo, suponha que você queira comprar um aparelho de celular nos Estados Unidos. Embora o modelo específico recém-lançado por lá ainda não exista aqui, existem modelos similares, com menos recursos, mas que se enquadram na categoria celular, fabricados no Brasil. 
Assim, caso todo mundo optasse por comprar apenas no exterior, os produtos brasileiros seriam deixados de lado, gerando prejuízos para os fabricantes nacionais, desaquecimento no mercado interno e, consequentemente, aumento no desemprego. Para que isso não ocorra, ou ao menos possa ser minimizado, o governo (aliás, todos os governos do mundo) regula essas transações tributando os produtos. 
Sobre cada categoria de produto incidem impostos distintos. Os mais comuns, no caso das compras pela internet, são o II (Imposto de Importação), IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). 
Entendendo o Regime de Tributação Simplificado
 
O sistema de tributação nas importações é regulado pelo RTS (Regime de Tributação Simplificada). Graças a esse Decreto-Lei (n° 1804/80), ao fazer compras no exterior cujo valor seja inferior a US$ 500, é aplicado sobre o produto uma alíquota única sobre a mercadoria.
Na prática, o que isso significa? Simples. Some o valor do produto que você comprou com o valor do frete. O percentual da tributação sobre a encomenda é de 60%. Um exemplo: um celular que custe US$ 250 e tenha mais US$ 50 de frete, pode ser tributado em até US$ 180. Todo esse percentual é destinado ao governo federal.
Além disso, alguns estados cobram ICMS sobre a mercadoria. O percentual é variável, indo mesmo da isenção até tarifas de 10% sobre o valor total já com impostos. Voltando ao nosso exemplo: o celular de US$ 250, com frete de US$ 50 e tributação de US$ 180, totalizando US$ 480, se comprado em um estado como a Bahia, que tem uma alíquota de 10% de ICMS, pode chegar a US$ 524.
Algumas mercadorias, contudo, são isentas de tributação: livros, jornais e periódicos, de acordo com o artigo 150 da Constituição Federal, e encomendas enviadas de pessoa física para pessoa física e com valor declarado inferior a US$ 50 não pagam a alíquota de 60%. 
É possível escapar da tributação?
 
Em tese, nenhum produto que se enquadrasse nas características citadas acima deveria escapar da tributação. Entretanto, você já deve conhecer casos de pessoas que compraram pela internet produtos de alto valor e não foram tributadas. Da mesma forma, usuários com compras de preço baixos muitas vezes acabam pagando a tributação, como previsto em lei.
Isso acontece pela seguinte razão: atualmente, o volume de importações realizadas pelos brasileiros é enorme, muito maior do que o número de fiscais disponíveis para avaliar cada uma das encomendas recebidas. Assim, a solução encontrada para que os produtos não se acumulassem nos depósitos da Receita Federal foi a de realizar o processo por amostragem.
Ou seja, de cada grupo de produtos, apenas alguns são analisados e, consequentemente, tributados. Assim, ao menos nesse caso, a sorte pode estar ao seu lado e a sua mercadoria pode chegar a suas mãos sem que seja preciso pagar algum tipo de tributação. Considere como uma bonificação ou uma espécie de desconto do seu orçamento original.
Entretanto, caso sua encomenda seja pega em uma situação como essa, a mercadoria, em vez de ir para a sua casa, irá para a agência dos Correios mais próxima à sua residência. Você receberá uma correspondência informando da tributação e deverá pagá-la, direto nos Correios, para poder retirar seu material. 
Quando a encomenda vem por serviço comum de correio, o comprador recebe uma Nota de Tributação Simplificada (NTS) e um Documento de Arrecadação das Receitas Federais (DARF) com indicação de valor e da agência onde deve pagar o imposto para retirar o desejado produto.
Fique atento ao valor da sua tributação
 
Caso o seu produto seja tributado é preciso ficar atento ao valor do imposto a ser pago. A tributação pode ocorrer de duas formas distintas. A mais comum delas é quando a fiscalização se baseia no valor declarado do produto, constante na nota fiscal ou na documentação anexa. Nesse caso o imposto é cobrado sobre o valor declarado.
Contudo, pode ocorrer de o fiscal que analisa a sua mercadoria não concordar com o valor descrito na encomenda. Em casos como esses, ele é autorizado a abrir a sua encomenda e atribuir um novo valor a ela. Sobre esse novo valor é que será calculada a alíquota.
Assim, ao chegar a uma agência do Correio, verifique o valor sobre o qual você está pagando a alíquota. 
Caso você não concorde, é possível recorrer e pedir revisão dos valores. O mais comum é que, caso você prove o valor da compra, a alíquota cobrada incida mesmo sobre o valor original do produto. Para isso, é importante que a pessoa tenha consigo a nota de confirmação da compra que deve ser apresentada junto ao formulário.
Há também aqueles que abrem o esperado pacote e não enxergam o produto com o qual sonharam por semanas. Quando isso acontece, a confirmação do engano é feita pelos correios de destino e origem. Somente neste caso pode ser feita a devolução da mercadoria e o não pagamento do imposto.
A mesma lógica serve para desmistificar uma característica que se tornou comum entre os importadores ou aqueles que recebem muitas mercadorias do exterior. Muitos afirmam que, caso você declare o produto como gift (presente) essa alíquota acaba não sendo cobrada pela fiscalização. Essa informação não procede. 
Caso o fiscal julgue necessário, ele poderá abrir a sua encomenda declarada como gift e atribuir um valor à mercadoria. Da mesma forma, para retirá-la dos Correios você precisará pagar a alíquota ou recorrer. Independente do valor final atribuído, no final das contas, você acabará tendo o produto tributado. 
A carga tributária é alta. Vale a pena importar?
 
A carga tributária que incide sobre os produtos importados pelos brasileiros é alta. Reformas tributárias vêm sendo discutidas há muito tempo no Congresso Nacional e no Senado, mas é pouco provável que tenhamos mudanças significativas nesse cenário ao menos em 2011. Porém, ainda assim, em muitos casos é válido importar produtos para o Brasil. O primeiro aspecto que você deve levar em consideração é a disponibilidade da mercadoria em questão por aqui. Caso exista um similar nacional, se colocarmos as alíquotas tributárias em um comparativo, é provável que a diferença de preços entre eles seja pouco significativa. 
Todavia, produtos que não disponham de concorrentes ou modelos idênticos por aqui, podem opções interessantes de importação. Discos de Blu-ray, aparelhos eletrônicos, itens de coleção e outras mercadorias de produção limitada ou não fabricadas no país são objetos a serem considerados para compra no exterior. 
Proibições e isenções para os consumidores online
Eletrônicos usados podem ser encontrados com facilidade na web e por um preço mais acessível que o posto na vitrine da loja. Porém, a emoção não deve subir a cabeça nesse momento. A legislação brasileira, segundo Hélio Sandro dos Santos, proíbe a entrada de produtos usados no Brasil. “Se a gente perceber que a mercadoria é usada, ela vai ser recolhida e será aplicada uma pena de prendimento”, explica. O objeto, então, pode ser levado a leilão, doado para alguma entidade beneficente ou ser incorporado ao patrimônio público. A exceção é feita, por exemplo, para instituições beneficentes do exterior que fazem remessas para instituições do gênero no Brasil.
Já para material de leitura, a entrada em território brasileiro é livre, para sorte dos leitores vorazes. “A constituição brasileira estabelece a imunidade tributária para livros, revistas, jornais, periódicos e material destinado a impressão, como papel jornal”, explica o funcionário da Receita Federal. Não importam a quantidade de páginas, o valor ou o peso, a isenção de imposto vale para qualquer tipo de livro e independentemente da forma como ele irá entrar no País.
 Saiba mais lendo sobre o II no site oficial da Receita Federal do Brasil.

Correios plantam 114.587 mudas de árvores

Bom dia,
Começando o ano de 2013 com uma ótima notícia para o meio ambiente. A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos concluiu o projeto de plantio de mudas de árvores,  o Desafio Ambiental, ação de sustentabilidade dos Correios que teve por objetivo o plantio de 110 mil árvores no País no período de dezembro de 2010 a dezembro de 2012, cada uma representando um empregado da empresa quando em 2009, início do projeto.


Desafio Ambiental dos Correios planta mais árvores no DF
2º Ciclo de Plantio de Mudas no DF.
 Foto: Caio Nantes/Correios



Os Correios superaram a meta estabelecida e conseguiram plantar 114.587 mudas de árvores em todo o território nacional. A iniciativa contribuiu para a compensação do impacto ambiental gerado pela empresa na execução de suas atividades, como, por exemplo, a emissão de carbono.
Os Correios têm na sustentabilidade um de seus pilares estratégicos e acreditam na real possibilidade de crescer, incluir, proteger e conservar, promovendo ações que respeitem o meio ambiente.
Uma ótima iniciativa. Se você conhece outros projetos que tem por objetivo salvar o meio ambiente conte pra gente.
Um grande abraço!

Curso de libras disponibilizado pelos Correios ultrapassa meta

Bom dia,
Como já sabem trabalho nos Correios e o ano de 2012 foi bem produtivo se comparado a 2011 no que trata-se da disseminação da Língua de Sinais: cerca de sete mil empregados dos Correios concluíram o curso introdutório à Língua Brasileira de Sinais — Libras.
Com isso, a empresa dá um importante passo em direção à inclusão de pessoas com deficiência auditiva por meio da comunicação com clientes e população em geral.
De acordo com decreto do Governo Federal, todas as empresas concessionárias de serviços públicos e órgãos da administração pública federal devem garantir às pessoas surdas ou com deficiência auditiva tratamento diferenciado, por meio do uso e difusão da Língua Brasileira de Sinais. Nos Correios, a meta era a capacitação de 5% dos empregados, mas a empresa ultrapassou essa porcentagem em cerca de 20% antes do prazo previsto. Este número é resultado do curso “Libras como segunda língua”, que é oferecido pela UniCorreios, em parceria com o Instituto Federal de Santa Catarina, na modalidade a distância.
Infelizmente, está disponível via intranet somente para empregados. De qualquer forma, já é um degrau andando. O que não quer dizer que ainda seja o ideal, antes nossa empresa, estamos longe disso. É necessário multiplicar treinamentos presenciais e incentivo por parte do corpo gerencial, que ainda é dirigido por apadrinhamento político e não por competência. O que não quer dizer que estes são incompetentes, não todos. Alguns realmente são totalmente competentes e capazes. Que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos seja cada vez mais associada a credibilidade e a ações de inclusão social. Como já disse, é um passo dado. Parabéns!