Saiba como se proteger de gripes e resfriados



A mudança repentina de temperatura tem tornado cada vez maior as incidências de gripes e resfriados. Mas qual é a diferença entre os dois? Existe uma maneira de prevenir essas doenças? O que fazer quando somos atingidos por elas?

Imagem: Reprodução da Internet

No artigo a seguir, o Dr. Nael Hwas, coordenador do Pronto Socorro Adulto do Hospital San Paolo, de São Paulo, fala sobre o assunto.

Ultimamente é muito comum ouvir que “o clima está uma loucura”. De fato, as estações parecem estar cada vez mais “indefinidas”, e a mudança brusca de temperatura tem sido comum. Isso, somado a outros diversos fatores, favorece o aparecimento de gripes e resfriados com mais frequência. Mas você sabe identificar quando está resfriado ou gripado?

A maioria das pessoas não conhece a diferença entre os dois. O resfriado comum é uma infecção viral e traz sintomas mais leves como congestão nasal, coriza clara e espirros. A gripe também é uma infecção viral; mas nesse caso já surgem a febre alta, cefaleia (dores de cabeça), dores no corpo, mal-estar, tosse seca, dor de garganta e coriza. Geralmente, dura entre sete e 10 dias e também pode desencadear complicações como sinusite bacteriana, otite média e pneumonia.

O profissional de saúde consegue saber se é um resfriado simples ou uma gripe avaliando o histórico clínico do paciente e realizando o exame físico. Assim, é possível fornecer um diagnóstico preciso.

Os resfriados podem ser prevenidos com medidas simples e que vão muito além do consumo de vitamina C. Boa alimentação, hidratação e higiene nasal também podem ajudar. A gripe, por sua vez, pode ser prevenida por meio da vacina anual. É importante estar sempre atento às campanhas nacionais de vacinação e seus prazos.

Não podemos esquecer, também, de proteger as crianças. A partir dos seis meses de vida a vacinação já pode ser aplicada; e, quando houver suspeita de qualquer complicação respiratória, é imprescindível levar a criança para uma consulta médica. O mesmo vale para os adultos, que têm o hábito de se automedicar. O ideal é buscar orientação especializada.

Dr. Nael Hwas é coordenador do Pronto Socorro Adulto do Hospital San Paolo, centro hospitalar localizado na zona norte de São Paulo, e o artigo foi enviado por e-mail pela Assessoria de Imprensa. 

Veja também:

Especial Saúde: Como se obter uma alimentação balanceada


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *