Jericoacoara: Um Caso de Amor — Por Rafael Lima!



O que posso dizer de Jericoacoara?

  • Jeri é aquela que todos os anos está entre as mais belas do mundo;
  • Jijoca é considerada a “Miss” de todas as praias;
  • Yes, ela é considerada uma das mais lindas;
  •  Eu fui e o que tenho a dizer, é totalmente previsível. Mas também inexplicável!

Vamos comigo nesta aventura?

Começando pela partida a partir de Fortaleza por volta das 4:00h da manhã com belas paisagens que transformaram as janelas do ônibus em verdadeiras molduras diante do externo. Teve aquela paradinha em Paraipaba para um cafezinho com tapioca feitos na hora, que também não podem ser esquecidos. Jeri é um conjunto das maravilhas que vai desde sua partida até sua chegada.

A chegada em Jeri é bem divertida pois há “troca de carros”. A partir daquele ponto somente carros apropriados podem passar. No meu caso fui de Jardineira (Ford f100) com mais ou menos meia dúzia de outros turistas.

Aquele deserto de areia branca e céu azul deixou todos pasmados com tamanha beleza. E dentro de alguns minutos já se pode ver um “pontinho verde”… Ali é Jeri. — Uma vila de pescadores com todas as ruas de areia de praia. Sem iluminação nas ruas e sem cabos elétricos expostos sobre as ruas. (Lá tudo é subterrâneo). E o bom é que você consegue fazer tudo caminhando pela vila.

Ao chegar por volta das 11:00h dá manhã, pude contemplar Jeri, ao caminhar até o mar e “lavar a alma”, em suas águas. Depois de muitas selfies e registros de todos os cantos, a fome bateu e fomos em busca de algum lugar pra comer, e vi que Jeri satisfaz todo tipo de paladar, e atende os mais variados orçamentos.

A noite lá é mágica! Começando pelos “Hippies” de todos o mundo que habitam o lugar, trazem sua cultura e vivem da venda das suas artes. Nas ruas, os lampiões iluminam as ruas e você se sente abraçado pela vila, pelos pescadores, as casinhas, os comerciantes. Todos contribuem para tornar minha estadia maravilhosa e acolhedora. Finalizando com as obras de Jeová, o criador: a lua e as estrelas que enfeitava o céu, no mais típico e lindo show do universo.

No segundo dia o café da manhã foi com muitas frutas e sucos. Acredito que é fundamental me manter leve, porem forte para encarar os passeios e as agradáveis surpresas. E assim como o primeiro dia, fez muito sol e deu muita praia.

No final do dia por indicação, fomos conhecer a “Duna do por do sol”, que foi o mais lindo que vi na vida. E quer saber mais? Um fato interessante é que ele é literalmente aplaudido. — Todos os dias o por do sol é aplaudido pelos moradores e turistas, como forma de gratidão.

Para encerrar a viagem, no terceiro e último dia, alguns passeios como: “Pedra Furada”, “Àrvore da preguiça”, e as lagoas “Azul” e do “Paraíso”, este último sendo o mais almoço mais caro. Mais ou menos R$ 100 para 2. É caro, mas… sabe? É delicioso e recompensador!

E Jeri é isso. Uma energia boa. Aquela paz! E posso dizer: #EuAmoJeri, pois é lá que fiquei longe de tudo que me faz “mal”. E é quando já em casa, lamento profundamente não ter ficado mais, mas aí percebo o quanto foi bom estar vivo, estar ali. — Visite Jeri você também, e #VivaoCeará!

Textos e imagens: Pelo meu respeitado amigo cearense, Rafael Lima (Instagram: @rafael_liam) de Fortaleza/ CE. • Valeu muito irmão, obrigado!

Edição e direitos autorais do texto e de imagem: Rafael Lima/ Blog dos Pernés


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *