Entrevista Inédita: Patricya Tobias (Blog das Gêmeas) 4



Elas tem os olhos claros, uma é loira e a outra nem chega a ser morena.
Elas são lindas, comunicativas, carismáticas, meigas, sapecas e estilosas. Não, não estamos falando de nenhuma uber-model internacional e sim das mini fashionistas gêmeas Lara e Sofia. São apenas 3 anos de idade, mas desde cedo conquistam a todos por onde passam. Nossa entrevistada de hoje é a mamãe Patrycia Tobias, que também é mãe do Nicolas. Ela se reinventa e se desdobra em 3 para dar conta da rotina apertada de criar e educar 3 filhos. 
 
 
O Nicolas tinha apenas 8 anos, quando se descobriu grávida de gêmeos, qual foi a sensação? Chegou a se desesperar, tipo: “Como vou dar conta de mais 2?
Quando resolvi engravidar novamente já sabia da probabilidade de vir mais de um. Minha família por parte de mãe é composta de vários gêmeos (risos). E minha médica já tinha me advertido, o que na época quase me fez desistir da ideia de ser mãe novamente. Mas meu sonho sempre foi ser mãe de menina, e tentei todos os métodos possíveis que me contavam em como engravidar de menina. Demorei 11 meses para engravidar. Ao pegar meu resultado positivo a secretaria do médico já me adiantou que o “beta” tinha dado alto demais e que pela experiência que tinha ou estava grávida de mais tempo ou era mais de 1 bebê. Fiquei na expectativa e quando se confirmou foi um grande um choque de felicidade e medo, será que ia dar conta? Acho que até hoje não vai muito na realidade. Mas acho que pra mim a maior felicidade foi quando descobri que Deus tinha me enviado duas meninas, foi minha grande realização. 
 

 

 

Dos 3 qual dá mais trabalho?
Nicolas é um menino doce, responsável, amigo e companheiro, nunca me deu trabalho algum, ao contrário, hoje me ajuda muito com as pequenas. Lara e Sofia são totalmente diferentes entre elas. Sofia é sapeca, comunicativa, tem personalidade forte, mas é carinhosa e ao mesmo tempo muito terrível. Lara já é mais tímida, de poucos amigos, intuitiva, caprichosa, delicada e carinhosa também, mas é muito destemida, por isso muitas vezes acaba dando mais trabalho.


Como surgiu do IG e a oportunidade de vestir e fotografar as duas?
Assim que elas nasceram comecei a fotografá-las. O primeiro ensaio foi com 6 dias de vida (Newborn) e aí nunca mais parei. Qualquer roupa ou careta nova que faziam era um clique e comecei a postar no Facebook e no Instagram pessoal.
Quando elas tinham uns 3 meses comecei a trabalhar com moda infantil, outra realização pessoal, e elas começaram ser minhas “modelos”. Ao invés de fotografar as peças e postar na loja, fotografava elas vestidas com as peças, o que me rendia muito mais vendas, assim o IG foi crescendo, hoje elas não apenas fazem propaganda pra mim mas também pra várias outras lojas que nos contratam ou enviam peças para divulgação. 

 

 

 
Hoje ainda gasta bastante roupa para as duas? Como são feitas a escolha das peças e serem usadas, elas ajudam escolher?
Sempre fui muito consumista, e já gastei horrores com elas, hoje nem tanto, mas saía comprando tudo que gostava pela frente, e quando por algum motivo não conseguia alguma peça, mandava produzir. Mas isso mudou quando que surgiu minha loja de roupas fashion infantis online, que tem o nome em homenagem a elas: “Patricynhas” (http://patricynhas.com.br/loja/).
Sempre achei Lara com cara de cor de rosa (mesmo não gostando do rosa) mas ela tinha cara pra mim de doçura, romantismo.  Sofia sempre teve cara de loucura, alegria e por incrível que pareça é assim.
Lara sempre escolhes as roupas de cores mais clara como rosa, lilás, branco e amarelo.  Sofia ama azul, preto, vermelho. Hoje recebemos todo tipo de estilo, de roupas de bonecas as mais fashions, aceitamos todos, porém não deixo nossa personalidade de lado, acho que em todos os looks dá pra perceber nossa carinha.

Como são feitas as fotos e como é a rotina de uma mãe de 3? Não acha que uma rotina de tantas fotos e grande exposição não atrapalha o desenvolvimento delas como crianças?
As fotos já fazem parte da vida dela, como falei desde recém nascidas já fotografavam, pra elas isso tudo é normal.
Também não fotografamos todos os dias, tento deixar fluir como uma coisa mais natural, vestimos uma roupa, vamos passear, levo os acessórios na bolsa, no meio do passeio coloco os acessórios, fotografamos em questão 5 minutos e já estão liberadas. Muitas vezes fotografar é uma diversão e elas sentem faltam.
A rotina delas é como de qualquer criança, nada de diferente. E fala que mãe hoje que não sai clicando tudo o que a criança faz? Sobre a exposição dela, elas não têm noção ainda disso, tento ter alguns cuidados como não marcar nossa localização, esconder o emblema da escola, não postar nada no horário exato que fotografam, etc. 
 

 



E o seu marido, o que ele acha da exposição da imagem de suas filhas?
Ele super curte e acha tudo um máximo, não tem muita paciência pra fotografar mas quando está junto sempre incentiva pra que elas façam as poses ou olhe pra lente.  Sente maior orgulho dos filhos, sem contar que a praticamente a dois anos não gasta mais com roupas e sapatos, para pais de gêmeos isso é um verdadeiro alívio.

As pessoas costumam lhe criticar? Como você lida com isso?
As pessoas tendem a falar do que desconhecem, como se minhas filhas vivessem com todas aquelas roupas e fossem incentivadas a consumir e não tivessem liberdade de brincar e serem crianças. Quando na verdade o que acontece é o contrário, além de brincarem e muito, elas também ficam descalças e se sujam, como toda criança as incentivo a ajudarem o próximo, doar as peças que não servem ou que não usam. Levo elas na escola, gosto de vê-las brincando unidas e sendo amigas uma da outra e de outras crianças. E sempre as ensino tratar a todos com respeito. 
No começo havia muitas críticas de pessoas que eu não conhecia, falavam coisas absurdas. Todas as pessoas que ficam expostas estão dispostas a todos os tipos de comentários, então esse tipo de maturidade vem com o tempo. 
Antes eu não gostava, mas hoje já não me atinge mais, sei que cada um tem seu ponto de vista e muitas pessoas só querem interferir na felicidade dos outros, aliás a felicidade alheia incomoda não é?
Concordo com você e acho que o que vale é ter uma família unida e feliz.
Exato! Isso é o que importa: a união e a saúde e claro a felicidade da minha família. E como somos felizes!

 

 

 



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 pensamentos em “Entrevista Inédita: Patricya Tobias (Blog das Gêmeas)