A in-utilidade dos 0800 para deficientes auditivos ou de fala.



A Paula Pfeifer do “Crônicas da Surdez” já falou, a Lak Lobato do “Desculpe não ouvi” já reclamou, e hoje é a minha vez, Thiago Perné usar o Blog dos Pernés para chiar, e eu tenho certeza que milhares de surdos já se questionaram sobre a inutilidade dos  atendimentos para surdos, deficientes auditivos ou de fala.

E só para deixar claro, estão em todos os lugares, até no site da ANATEL, vejamos:

No site da Anatel

O Banco do Brasil, avisa Deus e o mundo. Como se isso fosse uma grande vitória para os surdos.

Correios não ficam para trás. E ainda usam o termo depreciativo e que caiu em desuso: portadores.

Agora como esse meio de contato é útil para um surdo, deficiente auditivo e/ou de fala?

Tecnicamente eles tem um aparelho TTD (Telecommunication Device for the Deaf) ou TS (Telefone para o Surdo).

Essa boniteza acima é o tal TDD. E para entenderem como funciona a geringonça que foi inventada em 1964, quando a realidade era outra, e hoje custa cerca de R$ 2.000, compartilho a explicação do Blog da Paula:

Então, o pior não é que a lei está desatualizada, ou nenhum surdo tem esse aparelho caríssimo e ultrapassado em casa e em locais públicos quando encontram estão sempre quebrados. O pior é que mesmo que fosse acessível, o serviço não é funciona e nem é eficaz, muitas empresas os tem apenas para “cumprir a lei”, sendo que o desejável, e o ideal seria o atendimento online via chat, via vídeo conferencia ou até mesmo por SMS.

Provavelmente pensando nisso, a OI “saiu na frente”, e no seu site existe a opção: Envie SMS, para 142:

Será que funciona? Vejamos:

Mensagens SMS, enviadas na segunda, 31/07, quarta 02/08, e hoje 04/08, e sem retorno, o que mostra que as tentativas não obtiveram exito. E aí, como os surdos ficam? Será que devemos cometer fraude e pedir para outra pessoa se passar por nós?

Estes são problemas que ninguém parece se importar. Chega de discriminação! Os surdos estão sendo excluídos dos mais importantes canais de comunicação com empresas, bancos e etc.

Leia também:

Ser surdo: A vida como ela é!


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *