Arquivos da categoria: Síndrome de Down

Livro: Mano Down

Uma história de amor entre dois irmãos especiais. De um lado, o Eduardo, carinhosamente chamado de Du, um jovem de 21 anos com Síndrome de Down, e do outro, Leonardo, um jovem também especial pela sensibilidade e pela capacidade de amar de uma forma incondicional.

Os tópicos da obra Mano Down: relatos de um irmão apaixonado, descrevem as etapas da vida do Du, seu relacionamento com os pais, irmãos, familiares, professores e amigos. Além disso, à medida que o autor menciona as experiências vividas e as dificuldades encontradas pela família e por ele próprio, esclarece ao leitor alguns dados e informações a respeito da Síndrome de Down e mostra que ter na família alguém assim é uma experiência que nos dá uma melhor compreensão do mundo.

‘Há algum tempo pensava em escrever contando a nossa história. Adiei algumas vezes, porém chega um momento em que os pensamentos parecem querer saltar, as ideias ficam pequenas apenas na lembrança e é preciso tomar forma em texto para que todos conheçam a paixão que nos une”, declara o escritor Leonardo Gontijo.

Cada história é única, com suas dificuldades, emoções, encantos e caminhos. A intenção é tão somente partilhar experiências, colocar para fora tudo o que o autor sente e, antes de mais nada, mostrar seu amor ao Du, seu irmão.

“Ele me fez viver momentos mágicos e conquistou afeto num mundo onde os sentimentos positivos são gratuitos para os seres normais, mas difíceis de brotar quando se é imperfeito. Quanto ensinamento!”, enfatiza o autor.

A obra, lançada pela Literare Books International, não fala apenas da síndrome, fala de paixão e cumplicidade, assim como divulga a alegria e a riqueza que é conviver com um uma pessoa com Down.

Sobre o autor
Leonardo Gontijo – Pai de Eduarda e Laura. Formado em Engenharia Civil e Direito, Pós-Graduado em Gestão Ambiental, Engenharia de Segurança do Trabalho. Responsabilidade Social e Gestão de Projetos. Mestre em Administração. Professor do Centro Universitário Una, Faculdade Milton Campos e Fundação Cabral. Coach. Palestrante. Idealizador e Diretor do Instituto Mano Down. Tem como seu maior título ser irmão do Dudu do Cavaco. Sonha com uma sociedade mais justa, humana e inclusiva.


Serviço:
Mano Down: relatos de um irmão apaixonado
Editora: Literare Books International – 1ª edição – 200 páginas
ISBN: 978-6586939392
Amazon: https://bit.ly/livro-mano-down
Loja Literare Books: http://bit.ly/loja-literare-mano-down

Tags , , , , ,

Dia internacional da Síndrome de Down: O Clube dos livros esquecidos

A Editora do Brasil lançou o livro “O clube dos Livros esquecidos” de Fábio Monteiro.

 

Que conta a história de Flora, uma menina muito especial sobretudo devido à sua inteligência e seu modo diferente de ver o mundo.

A leitura é sensível e surpreendente, e propõe o universo criativo de Flora e seus amigos. Trata-se de um olhar poético e figurativo, mas ao mesmo tempo verdadeiro, sobre a Síndrome de Down e a Inclusão Social.

título: O CLUBE DOS LIVROS ESQUECIDOS
isbn: 9788510058001
idioma: Português
encadernação: Brochura
formato: 14 x 20
páginas: 56
ano de edição: 2015
edição:

Hoje é o Dia internacional da Síndrome de Down. E nada mais oportuno a sugestão do mesmo para leitura. O livro já está na lista dos meus desejados e estou aceitando presentes.

 

Tags , , , , , , , , , ,

Dia internacional da Síndrome de Down: O Super Michael

Michael é um brincalhão e divertido americano de 52 anos que tem Síndrome de Down. Desde pequeno ele teve que se acostumar com os olhares curiosos e maldosos das outras pessoas. Ele sempre foi fotografado informalmente pelo seu cunhado, Rick Ashley, que é fotografo. 

Segundo Ashley, a figura de pessoas com Síndrome de Down pode ser vista em diversos quadros renascentistas, mas não na arte contemporânea. Dispostos a mudar isso, ele e Michael fizeram um ótimo trabalho, como Super Man.

Vamos as super imagens?

Veja mais em http://www.notrickashley.com/.

Leia também:

Dia internacional da Síndrome de Down: Comunicação Acessível

Tags , , ,

Dia internacional da Síndrome de Down: Comunique-se!

O dia internacional da Síndrome de Down chegou. E este é o segundo post  hoje aqui no blog, sobre essas pessoas tão queridas e especiais,

Logo você percebe que ela é diferente. Tem os olhos puxadinhos, nariz achatadinho, e pode ser muito carinhosa. Antes de mais nada tenha em mente que ela aprende as coisas um pouquinho devagar, mas aprende. As vezes não se comunica bem, mas se comunica sim, seja utilizando frases ou palavras pequenas, por sinais ou gestos mímicas.

Mas falando em comunicação, vamos conferir algumas dicas para que a comunicação, não apenas com pessoas com Síndrome de Down, mas com qualquer deficiência seja eficaz?

ESCUTE:

Mantenha contato visual, sem exagerar.
Mantenha uma atitude atenta e calma. Avalie se é necessário mais atenção, porque a criança com síndrome de Down, por exemplo, pode demorar mais para aprender as coisas.
Procure fazer com que sua comunicação tanto verbal como não verbal assegure ao outro que você está atento.
Tolere, sem ansiedades, o silêncio da pessoa.
Depois de fazer uma pergunta, é importante silenciar. Se o outro não responder de imediato, evite o impulso de preencher o silêncio com seus comentários. Dê-lhe a oportunidade de entender ou pensar na sua resposta.

Imagem: Reprodução

RESPEITE:
Abstenha-se de julgamento na comunicação.
Crie condições para que as pessoas com deficiência possa expressar suas idéias, sentimentos, valores e atitudes. Isto não significa que você deva concordar com as posturas e necessidades dessas pessoas, apenas compreendê-las e aceitá-las.

Demonstre EMPATIA:

Procure colocar-se no lugar do outro, inclusive na dificuldade que você teria caso passasse pela mesma deficiência ou estivesse na mesma situação.                                                                                                                                                                   Procure refletir e recolocar as suas idéias em outras próprias palavras, caso necessário, de maneira a demonstrar-lhe que o está entendendo e acompanhando.
Limite-se a recolocar sentimentos e idéias de que esteja seguro de terem sido expressos, não conclua ou interprete motivos profundos.

Leia também:

Artigos sobre Inclusão, Surdez e Língua de Sinais

Dia internacional da Síndrome de Down: Comunicação Acessível

Tags , , , , , , , , , , , ,

Dia internacional da Síndrome de Down: Comunicação Acessível

Hoje é o dia internacional da Síndrome de Down,

Gosto de pensar que um cromossomo a mais torna essas pessoas ainda mais lindas, queridas e especiais. Sei que hoje é um dia de lembrar as lutas para essas pessoas e suas famílias, mas também é um dia de glória, pois diante de tantas dificuldades, tem havido muitas vitórias. Por isso uma série de postagens sobre o assunto.

De todas as bandeiras do movimento e luta quanto a inclusão e acessibilidade está a comunicação. E quero direcionar este post para o respeito pela dignidade, pela independência, pela liberdade de fazer as próprias escolhas e pela autonomia individual das pessoas com deficiência, além de maior participação e inclusão na sociedade e pela a igualdade de oportunidades, conforme Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência”, ratificada pelo Brasil em 2008.

Esse é o Asher, modelo infantil com Síndrome de Down. Imagem: Reprodução/Facebook/Kidswithdownsyndrome

Já que para que todos esses princípios se concretizem, o acesso à informação é fundamental. E é necessário tornar a comunicação acessível, isso significa adaptar as informações, para que todas as pessoas, inclusive aquelas que tenham alguma deficiência, possam ter plena compreensão de seu conteúdo. As adequações devem ser feitas tanto na forma quanto no conteúdo da mensagem. Também é necessário colocar legendas em materiais audiovisuais, imagens e fotografias é possível que as pessoas com síndrome de Down e outras deficiências intelectuais adquiram conhecimento sobre si mesmas e sobre o mundo que as envolve.

Leia também:

A beleza da diversidade, do talento e do respeito

Compreendendo o “Mundo dos Diferentes”.

Tags , , , , , , , , , , , ,

A beleza da diversidade, do talento e do respeito

Em 2004, a Unilever lançou a campanha “Real Beleza” da Dove e conquistou a todas (os), até aquelas mulheres consideradas gordas, magras, baixas e altas, de todas classes sociais. Entre elas, estavam as loiras, as morenas, as ruivas, e até as negras.

A campanha foi tão boa que rendeu mais de 2,5 bilhões de dolares de lucro à empresa. Mas, em geral, a sociedade ainda rotula essas mulheres, devido ao padronização da beleza.

Em 2006, a atriz com Síndrome de Down, Joana Morcazel, viveu a Clara, filha de Helena, personagem de Regina Duarte na novela Viver a Vida, da Rede Globo.

Joana Morcazel e Regina Duarte. Imagem: Rede Globo/ Reprodução

Mãe e filha em cena mostraram ao Brasil os desafios de vida e preconceitos que as pessoas com deficiência sofriam e a importância do amor e respeito que devemos ter por todas pessoas independente de deficiência ou não. Mas, apesar da boa aceitação do tema na mídia, o preconceito ainda existe.

Segundo a revista Carta Capital (2016), o trabalho escravo ainda existe no mundo. E, no Brasil, 95% desses trabalhadores são homens.

A realidade no mundo mostra que a ganância massacra o amor. — Infelizmente o trabalho escravo ainda existe. Imagem: Reprodução.

De 1995 até 2016, mais de 50 mil foram libertos de situações análogas a de escravidão em atividades econômicas nas zonas rural e urbana. A notícia é boa, mas infelizmente ainda é cedo pra comemorar.

É triste e até revoltante que, em pleno 2017, ainda existam pessoas tão burras que se acham no direito de diminuir outros por estarem fora dos padrões  de beleza imposto por eles mesmos. E, ainda mais, tão preconceituosas e desinformadas que insistem em não perceber que todas as pessoas com ou sem deficiência são iguais, e tem as mesmas capacidades e necessidades físicas, mentais e emocionais.
E tão cegas para não enxergarem que não é preciso diminuir pessoas com trabalhos humilhantes.

A modelo brasileira Brenda Costa, já rodou o mundo com sua beleza e talento. Detalhe: ela é surda e não permitiu que a deficiência a impedisse de ser uma das tops models mais influentes do mundo. Imagem: Reprodução

 

Leonardo Migiorin e Otávio Mesquita com os talentosos e inteligentíssimos atores com síndrome de Down. Juntos atuaram no filme “Colegas”, e consquistaram a crítica. Com bastante talento, os atores mostraram que uma pessoa com deficiência também pode e deve levar uma vida feliz. — O filme ganhou vários prêmios e até foi cogitado para representar o Brasil no Oscar. – Imagem: Reprodução

 

Gabourey Sindibe é atriz obesa e negra, está fora do padrão da beleza imposto pela sociedade, ainda assim com muito talento deu vida à personagem “Preciosa”, filme que emocionou o mundo e papou vários prêmios incluindo o Oscar e Globo de Ouro de melhor atriz para M’onique, que fez sua mãe, e também de melhor roteiro original. Imagem: Reprodução

Sim. Homens e mulheres, crianças ou idosos podem e devem ser mais amados independente das condições em que se encontram. Não é o status na sociedade, a deficiência ou a falta dela, o desemprego, a cor da pele, o cabelo ou o tamanho do quadril que fará essas pessoas inferiores a outras.

Pense grande, veja além do seu quadrado, que oportunidades existem para todos e somos todos iguais. Quem faz o seu sucesso ou o seu padrão de beleza é você. #DigaNãoAoPreconceito

Veja também:

Artigos sobre Inclusão, Surdez e Língua de Sinais

Crianças com Síndrome de Down encantam a moda goiana

Tags , , , , , , , , , , , , ,

Crianças com Síndrome de Down encantam a moda goiana

Um mundo justo e igualitário para todos não é impossível. E o amor e a oportunidade devem ser para todos, assim como o Sol e a Chuva são.

Sol? Oba! Muitos amam o verão e as oportunidades que eles nos trazem para se refrescar, Nada melhor que uma piscina, ou o mar. Aliás, até o banho divertido de mangueira vale, né?

Então, já falamos da cores da Ceci Moda Praia aqui, e que suas cores, junto com alegria e conforto, vieram pra ficar. Mas o mais legal de tudo que assim como nós aqui no Blog dos Perné’s, a marca ama Moda e também apoia a Inclusão Social, de fato nada mais natural que no lançamento da primeira coleção, tenha duas lindas crianças, mini modelos portadores do Cromossomos 21, isto é com Síndrome de Down. Vamos conhece-los?

  • Este é o Marcos Filho, tem 6 anos, um grande modelinho e “Dublador”. Por isso mesmo é artista, ele ama tirar fotos e desfilar, De todas brincadeiras, sua preferida é “Pique Esconde”. Atualmente estuda numa escola regular municipal. E faz acompanhamento com fonoaudiólogos no CRER, em Goiânia.

Sindrome de Down_Moda Goiana_BlogdosPernés

Cadê o Marcos Filho? – Achooou!

 

  • Esta é a Yammane Vytória: Essa princesa, tem 5 aninhos e está sempre alegre e é muito carinhosa. Ama ir a escola, cantar e desfilar. Que linda!

Sindrome de Down_Moda Goiana_BlogdosPernés

Que alegria! Amamos a desenvoltura dessa bailarina. 

 

Sindrome de Down_Moda Goiana_BlogdosPernés

Juntos, só amor e companheirismo!

E nós, desejamos muita saúde para esses pimpolhos. Que Deus os abençoe sempre.Parabéns as mamães por cuidarem desses tesouros e a Ceci Moda Praia e equipe por dar essa oportunidade a eles, afinal moda, diversão e inclusão tem um ponto a mais. #VivaaInclusão!

Tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

21 de Março: Dia Mundial da Sindrome de Down!

Boa noite, 

Hoje é o dia mundial da síndrome de Down. E resolvi pesquisar um pouco sobre o assunto em alguns sites. E o mais importante para mostrarmos respeito a essas pessoas como nós, é nos esforçarmos a ter uma boa comunicação. O texto abaixo exceto algumas modificações pessoais que já fiz e ainda pretendo fazer foram retirados do site  Movimento Down.
Entre os princípios da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, ratificada pelo Brasil em 2008, estão o respeito pela dignidade, pela independência, pela liberdade de fazer as próprias escolhas e pela autonomia individual. O documento da ONU prima ainda pela maior participação e inclusão na sociedade e pela a igualdade de oportunidades. Para que todos esses princípios se concretizem, o acesso à informação é fundamental.
Para que esse acesso se dê de forma real, é preciso criar e adaptar conteúdos em linguagem simples, tornando a comunicação acessível. Desta forma, é possível que as pessoas com síndrome de Down e outras deficiências intelectuais adquiram conhecimento sobre si mesmas e sobre o mundo que as envolve.
Tornar a comunicação acessível significa adaptar as informações contidas em um texto, por exemplo, para que todas as pessoas, inclusive aquelas que tenham alguma deficiência intelectual, possam ter plena compreensão de seu conteúdo. As adequações devem ser feitas tanto na forma quanto no conteúdo da mensagem. Também é necessário colocar legendas em materiais audiovisuais, imagens e fotografias.
Os textos, sejam eles orais ou escritos, devem utilizar palavras mais simples e sentenças mais curtas, apresentando sempre uma ideia ou informação de cada vez. O uso de metáforas também não é aconselhável, já que a sua compreensão requer uma abstração que algumas vezes as pessoas com deficiência intelectual têm dificuldade em alcançar.
Quanto à forma, deve-se optar por fontes simples sobre fundo liso, letras em caixa alta e design mais claro e limpo. Acrescentar imagens, fotos, desenhos, esquemas, infográficos ou qualquer tipo de apoio visual também é importante e facilita muito a compreensão.
A comunicação acessível é uma das bandeiras do Movimento Down e também uma de nossas maiores preocupações, tanto em nossos conteúdos impressos quanto nos digitais. Este portal foi desenvolvido para ser capaz de oferecer seu conteúdo às pessoas com deficiência intelectual ou baixa visão. Nosso Conselho Editorial Acessível, composto por pessoas com síndrome de Down, faz a adaptação de textos e produz conteúdos acessíveis regularmente. Na barra superior existem botões para aumentar e diminuir as fontes e mudar o tom das cores e destacar o conteúdo em detrimento do fundo da tela.
Mude o seu falar que eu mudo o meu ouvir
O manual Mude Seu Falar Que Eu Mudo Meu Ouvir é o primeiro livro sobre acessibilidade e comunicação escrito por pessoas com síndrome de Down. A iniciativa do livro surgiu pela inquietação de um grupo formado por sete jovens da ONG Carpe Diem, em São Paulo. O grupo sentia necessidade de esclarecer e dar orientações sobre acessibilidade, comunicação e questões relacionadas ao cotidiano de pessoas com deficiência.
Com a autoria de Carolina Yuki Fijihira, Ana Beatriz Pierre Paiva, Beatriz Ananias Giordano, Carolina de Vecchio Maia, Carolina Reis Costa Golebski, Claudio Aleoni Arruda e Thiago Rodrigues, a publicação foi criada para servir como base para a mudança de paradigmas envolvendo a deficiência intelectual e auxiliar na compreensão de como essa parcela da população pode exercer maior participação na sociedade.
Tags , , , ,