Arquivos da categoria: Brasil

Visitando o Museu da Bíblia

Na minha última vez em  São Paulo, tive a oportunidade de visitar o Museu da Bíblia – MuBi.

Independente da religião, achei bem legal a visita e conta com uma variedade muito grande de Bíblias antigas e um pouco sobre sua história. Sendo áreas diferenciadas, por meio das quais é possível fazer um verdadeiro mergulho na história do Livro Sagrado.

 

E possui também: 

O MuBi expõe uma réplica da prensa de Gutenberg, que imprimiu a primeira Bíblia da história, por volta de 1450.
Possui um móvel com 144 traduções bíblicas, Papiros, Pergaminhos, O menor livro do mundo, A Bíblia impressa numa única página, A Bíblia em braile, e etc.

Miniatura da Bíblia

Nome de Jeová na Bíblia de 1902, imprensa em Portugal.

 

A Bíblia a prova D’água.

Biblioteca da Bíblia (entrada não permitida para visitantes):

Contém o acerva de mais de 17 mil Bíblias em diversos idiomas.

Com certeza vale a pena para quem está na região e tenha tempo livre.

Serviço:  Museu da Bíblia

Endereço: Av. Sebastião Davino dos Reis, 672 – Vila Porto – Barueri – SP – CEP: 06414-007

Telefones: (11) 4168-6225 e (11) 4161-6176

Organização: Sociedade Bíblica do Brasil

Funcionamento: De terça a sexta-feira: das 9h às 12h e das 13h às 17h
Sábados, domingos e feriados: das 10h às 16h

Entrada Gratuita

Tags , , , , ,

354 anos dos Correios no Brasil e o Dia do Carteiro

Era o ano de 1500, e dificilmente não seja do conhecimento de todos nós brasileiros, que Pedro Alvares Cabral, chegou ao Brasil. E que nos primórdios dos serviços postais no Brasil reportou-se a Portugal – a “certidão de batismo do Brasil” a carta de Pero Vaz de Caminha, que anunciou ao rei  o descobrimento da nova terra.

O que talvez não saibam, é que naquela época, em tempo de viagens e notícias lentas, veio então alferes João Cavalheiro Cardoso a tomar efetivamente posse do cargo de auxiliar do Correio-Mor no Rio de Janeiro em 30 de julho de 1663. Nesse ano, desse modo, iniciou-se oficialmente o serviço postal no país. Mas por uma tradição que se consolidou no século XX, fixou-se a data de criação do Correio-Mor no Rio de Janeiro, comemorada em 25 de janeiro.
Outro fato bastante interessante, é que o mensageiro Paulo Bregaro, entregou a D. Pedro I, no dia 7 de setembro de 1822, a correspondência da Imperatriz Leopoldina informando sobre novas exigências de Portugal com relação ao Brasil. Ás margens do Riacho do Ipiranga, D. Pedro a recebeu e reagiu às imposições da Corte e declarou no ato a Independência do Brasil, associando assim os Correios a um dos mais importantes momentos brasileiros.
Prêmios: Mensalões e reclamações ficam a parte neste momento, pois a Empresa vem recebendo consecutivamente prêmios desde 2002 (pela 14ª vez) como a instituição mais confiável do Brasil, graças o empenho de mais de 115 mil funcionários. Instituição que pela grandiosidade posso afirmar que tenho orgulho de fazer parte.

Dia do Carteiro – Imagem: Reprodução

Dia do Carteiro: Sim, e é hoje, dia 25 de janeiro, que os Correios comemoram os 354 anos de serviço postal no Brasil e é também, a data dedicada ao profissional responsável pela credibilidade e reconhecimento da população à instituição: o Dia do Carteiro. E de tantos empregados, mais de 50% (58.680) são carteiros, profissionais responsáveis e comprometidos com a entrega de bilhões de objetos postais em todos os cantos do país, atividade com desempenho reconhecido por variadas premiações e pesquisas. Em Goiás, são aproximadamente 1.700 carteiros.  tanto no Brasil quanto em Goiás o número de mulheres na profissão é de em média 10% do efetivo. A todos eles, bravos homens e mulheres, eu desejo o melhor, o reconhecimento, a confiança e respeito, além de melhores condições de trabalho e muitas alegrias no trabalho, sempre!
Agradecimentos: Assessoria de Comunicação dos Correios em Goiás, pelas informações.
Tags , , , , , , , ,

Guia 2017 – Caldas Novas e Rio Quente/GO

Embora o próprio nome já seja convidativo, hoje vou “convence-los em se programarem para vir até aqui.  Sim, #GoiáséMais e hoje vamos conhecer um dos destinos turísticos mais badalados do estado: Caldas Novas e Rio Quente.

Por que ir:

Além de se esbaldar nas águas quentes, é bom saber que opções é o que não faltam, e que:

  • Estará conhecendo a maior estância hidrotermal do mundo, com temperaturas variando entre 30 e 57 graus, graças à proximidade do curso dos lençóis freáticos com as camadas internas da terra, que aquece e pressuriza a água;
  • Relaxar numa “banheira de hidromassagem” ao ar livre com propriedades terapêuticas e medicinais é difícil de dispensar;
  • Pode aproveitar as delicias da culinária goiana. Para recarregar as energias, entre um passeio e outro pode incluir no cardápio o peixe na telha, o arroz com pequi e guariroba (gueroba) ou as famosas pamonhas;
  • Não faltam atividades recreativas e muita aventura e diversão dia e noite;
  • Inúmeros clubes, hotéis, resorts e casas de veraneio com piscinas e atividades que cabem em todo orçamento;
  • Poderá comprovar a exuberância da natureza do cerrado goiano.

Quem pode ir:

Está liberado para pessoas de todas as idades e classes sociais. Desde casais, famílias com filhos pequenos, jovens, e grupos da melhor idade. Além de amantes de esportes radicais e da natureza.

A única regra é gostar de água, pois são aproximadamente 6.228.000 litros por hora, ou quase 150 milhões de litros de água quente por dia.

Quando ir:

Caldas Novas e Rio Quente podem ser visitados o ano todo. Todavia, há de se observar que:

  • Em feriados e nas férias de janeiro e julho a procura é muito grande, e que existem dois grandes eventos: O “Caldas Fest Folia” – que acontece em abril; e o “Caldas Country”, em novembro. – Reserve com antecedência sua hospedagem.
  • No verão (de novembro a março) é bastante chuvoso. E segundo a meteorologia, janeiro é um dos meses do ano que mais chove no sul de Goiás.

Como chegar:

Avião: A Gol tem a opção de duas vezes por semana de São Paulo (Congonhas) para Caldas Novas. Os dias de operação são 5ª e domingo. Na 5ª o vôo parte de Congonhas às 9h28, chega em Caldas Novas às 10h50, decola de volta às 12h e chega em São Paulo às 13h17. No domingo, a saída de Congonhas é às 9h20, chegando em Caldas Novas às 10h40, partindo de volta às 11h10 e chegando em São Paulo às 12h30.

Ônibus: Saindo de Goiânia para Caldas Novas a viação Paraúna diariamente tem horários com parada  (06:00 – 08:30 – 12:00 – 14:00 – 15:00 – 16:30 – 18:00 – 20:00 hs)  e diretos (08:00 e 14:00) com valores entre R$ 45 e R$ 60.

 Onde ficar:

Depende do que você quer. Já que Caldas Novas é uma cidade, e Rio Quente é outra, e a distância entre elas, é de 30 km.

Fique em Caldas novas, se você pretende sair à noite e apenas passar o dia no Hot Park que fica na cidade de Rio Quente. As opções para a noite vão de balada, galerias, feirinhas e lojas de artesanato e muita opção de comida para todos os gostos.

Fique no complexo Rio Quente se você quer bater ponto no Hot Park e no Parque das Fontes e deixar Caldas Novas em segundo plano.

Independente da escolha, praticamente quase todos grandes hotéis têm piscinas de águas quentes. E muitos destes incluem na diária o acesso a algum parque aquático externo ao hotel.

Em relação a hotéis, em Caldas, os mais requintados e caros, são os hotéis do grupo Privé (Privé, Boulevard, Riviera Park), mas dão direito a freqüentar o Club Privé e os parques aquáticos Water Park e Clube Náutico. Os hotéis do grupo DiRoma (Thermas DiRoma, Império Romano, DiRoma Resort, DiRoma Exclusive) dão direito a freqüentar o Acqua Park. Hospedando-se em hotéis como o Blue Point Hotsprings, Golden Dolphin, Golden Dolphin Express, Ecologic Ville, Best Western Le Jardin, e/ ou várias outras opções mais baratas como hostels ou pousadas, você poderá aproveitar, as piscinas (quando houver) mas precisará pagar para ir aos parques aquáticos maiores.

Os hotéis do complexo Rio Quente Resorts dão acesso liberado tanto ao Hot Park quanto ao Parque das Fontes, onde estão as piscinas de águas termais históricas da região, revestidas de pedras. Dentro do complexo estão o sofisticado Cristal Resort, o confortável Hotel Turismo e o carismático Hotel Pousada.

Vizinho ao complexo há uma segunda opção polo de hotéis, no bairro Esplanada. Lá, há restaurantes, lojinhas e ônibus frequentes para a área central do Rio Quente Resorts.

Hospedando-se nos outros hotéis e flats da área, como o Águas da Serra, o Veredas do Rio Quente, o Serra Park ou o DiRoma Rio Quente, você aproveitará as piscinas do hotel mas precisará comprar ingresso para ir ao Hot Park (se quiser também curtir o Parque das Fontes, terá que comprar um Resort Pass, que dá direito também a almoço ou jantar).

Falando em Hot Park, num post futuro falaremos dele. Aguardem!

Leia também:

Aqueles dias em Salto de Corumbá/ Go

Destinos divertidos para suas Férias em família!

Edição: Blog dos Perné’s.

Fonte: Buenas Dicas – Caldas Novas ou Rio QuenteFérias Brasil – Dicas para CaldasViagem UOL – Caldas NovasBoa Viagem – Planejamento em Caldas.

 

Tags , , , , , , , , , , , ,

Surdo constroi próteses de braço com sucatas

Foi no dia, 5 de setembro de 2012, que a vida de José Arivelton Ribeiro de Fortaleza, nunca mais foi a mesma. Com a energia da lojinha de eletrônicos da família, cortada por falta de pagamento, e ninguém sabia quando a luz iria voltar, Arivelton decidiu retirar a antena de TV da loja para usá-la em casa.

Pendurou-se na janela, no segundo andar, e cometeu um erro quase fatal. Por descuido, a antena tocou um fio de alta tensão. A descarga de 18 mil volts arremessou Arivelton para dentro da sala, e chegou a derrubar a iluminação dos postes da região.

O choque feriu o pescoço e a língua de Arivelton, e também comprometeu o braço direito, que precisou ser amputado na altura do antebraço. Seria mais um obstáculo na vida desse cearense de 48 anos, que nasceu surdo e não aprendeu a falar. Mas rendeu uma bela história de dedicação.

Ari, como é conhecido, passa boa parte do dia  numa oficina de quintal. Em meio a peças recolhidas em depósitos e na cozinha da mãe, colocou na cabeça: irá construir a prótese mais barata existente, para devolver movimentos a si e a qualquer amputado como ele.

 

Em pouco tempo, ele produziu duas próteses do braço direito, uma mecânica e outra elétrica, e já trabalha na terceira, que deseja ser computadorizada. “Meu sonho é ajudar as pessoas”, diz Ari à BBC Brasil, sempre com ajuda da mãe na tradução.

O inventor autodidata, que se comunica por meio de sinais com a mão remanescente, construiu as próteses com peças descartáveis e partes de utensílios domésticos.

Sua primeira criação tem o antebraço em cano de PVC e tampa de panela; o punho é um bico de secador de cabelo; os dedos são canos de alumínio, acionados por elásticos de prender dinheiro; e a palma da mão exibe uma borracha, para garantir aderência ao segurar objetos.

Bastou um mês de trabalho, ainda no ano do acidente. Ao todo, Ari investiu R$ 400, até 20 vezes menos do que uma prótese similar no mercado. A inspiração veio em vídeos na internet. O braço, porém, não é fixo, como a maioria das próteses mecânicas.

O punho é flexível e ele aciona os dedos com movimentos no ombro esquerdo. Era a independência que o inventor buscava.

Cotidiano

Com o mesmo braço que sempre usou, Ari agora corta pão, pega copos e até dirige seu carro. E não se trata de um veículo automático, mas um Fusca com câmbio daqueles que pedem força para passar a marcha – com a mão direita, diga-se de passagem.

Mas o inventor não se dá por satisfeito. “No mesmo dia em que terminei a primeira prótese, já queria fazer uma mais moderna”, diz.

Na escala evolutiva das próteses de braços, o degrau seguinte de uma mecânica é a elétrica. Nela, o movimento dos dedos é acionado por uma bateria, com comandos feitos com a outra mão ou por meio de eletrodos que captam os impulsos dos nervos na região da amputação.

 

O inventor leu sobre isso em tutoriais na internet e decidiu fazer sua prótese elétrica. Em oito meses, o dispositivo estava pronto. Bem mais moderno que o primeiro.

Novo invento

Ari construiu um braço que, com acionamento mecânico a partir do ombro, movimenta os dedos por corrente elétrica. A energia é enviada a partir de uma bateria de nobreak, através de um motorzinho de janela de carro.

O material da segunda criação é ainda mais rudimentar do que o da primeira. No antebraço há um copo de coquetel, tubo de extintor de incêndio e pedaços de panelas. Os dedos são correntes de bicicleta, ligados à mão por meio de colheres.

 

Agora, Ari está trabalhando em uma prótese semelhante à segunda, porém mais leve. Tanto a segunda quanto a terceira deverão custar menos de R$ 2 mil, até 15 vezes mais baratas do que uma convencional nesse patamar.

Para produzir suas invenções, Ari investe parte de sua aposentadoria por invalidez (R$ 880) e dos bicos que faz consertando TVs e computadores em casa. “Acho linda a força de vontade dele”, afirma a mãe.

A lojinha de eletrônicos, antigo sustento da família, foi vendida no dia do acidente. O trauma foi grande para todos, e emociona os parentes até hoje.

Uma quase tragédia

Aquele final da tarde de setembro de 2012, data que a família não esquece, sumiu da memória de Ari. “Eu apaguei. Não me lembro de nada.”

Sorte que ele estava acompanhado da mãe, técnica de enfermagem. “Fiz massagem cardíaca e respiração, então o coração voltou a bater”, relembra Socorro.

“Com poucos dias, a mão começou a necrosar, então meu irmão chamou os médicos e pediu a amputação no antebraço, onde ficou um machucado em forma de anel, para não correr o risco de perder o braço inteiro”, relata o irmão Rusivelton.

O cearense nasceu com perda total da audição, limitação constatada quando ainda era bebê. Ao longo da infância e da juventude, aulas de Libras (Língua Brasileira de Sinais), no Instituto Cearense de Educação de Surdos, minimizaram dificuldades de comunicação com os pais e os irmãos.

Os pais de Ari se separaram pouco antes do acidente – hoje Auri mora em Fortim, a 135 km de Fortaleza. Socorro se divide com a neta, e também com o filho Rusivelton, no suporte ao filho mais velho. Essa atenção é importante, sobretudo para “controlar” o ímpeto criativo de Ari.

“Dia desses, ele viu em um vídeo um cientista tentando fazer um motor de carro funcionar com água. Ele quis fazer o mesmo, só que deu uma explosão danada em casa. Minha mãe me ligou desesperada, para convencê-lo a parar com essas coisas”, diz o irmão.

Ari volta e meia se acidenta – já cortou a mão esquerda com seus equipamentos. “Quando bota uma coisa na cabeça, meu pai às vezes fica obcecado. Então a gente tem de estar sempre de olho, para colocar um freio”, confidencia Sara.

Sua história de vida sensibilizou o dono de uma empresa de próteses de Sorocaba (SP). Dele, Ari ganhou duas próteses elétricas, de R$ 15 mil e R$ 30 mil, além de R$ 10 mil para investir em seu trabalho. Com os presentes, Ari conseguiu renovar a carteira de motorista, já que a legislação de trânsito não permite a um amputado dirigir com prótese sem avaliação de segurança. Agora, não há mais o risco de ser parado em alguma blitz.

Hoje ele se divide entre uma das próteses que recebeu e a primeira que produziu, dependendo da necessidade. Isso porque uma das próteses que recebeu, apesar de mais moderna, não tem mobilidade no punho.

Quando uma das peças doadas deu problema, o inventor não teve dificuldade para abri-la e consertá-la. Em casa, Ari é considerado o “gênio” da família – avaliação compartilhada até por especialistas.

Futuro

A reportagem da BBC Brasil apresentou Ari aos donos de uma empresa de próteses de Fortaleza. Os irmãos Roberto e Carlos Henrique Enéas ficaram impressionados ao conhecer os inventos.

– “Esperava ver algo muito mais simples. É incrível que algo assim seja feito numa oficina”, diz Roberto, fisioterapeuta e protético, de 34 anos.

Embora haja cursos técnicos, que capacitam profissionais de saúde para atuar no ramo. Não existe um curso superior no Brasil que ensine a produzir próteses de membros superiores ou inferiores.

Fonte (Textos e Imagens):  Último Segundo (Site IG)G1BBC Brasil.

Edição: Blog dos Pernés

Tags , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Where are you from? — By Álvaro Fernando

Todos que já viajaram para fora do Brasil, muito provavelmente, já ouviram a famosa pergunta “Where are you from?”. E também já devem ter percebido que o interlocutor geralmente reage com uma cara boa após ouvir a resposta: Brasil. Depois de viajar para muitos lugares, percebi que isso só ocorre porque todos gostam do nosso país, ao contrário do que dizem muitos brasileiros (da boca pra fora) – por mais incrível que isso possa parecer;

Quanto mais viajo pelo nosso país, me apaixono por ele. Recentemente, fiquei oito dias em uma tribo Huni Kuin, isolada no Acre, mergulhei em seus costumes, conheci a função de cada um e explorei a maneira de como vivem bem. Esse momento foi muito precioso na minha volta, quando passei a ter uma percepção diferente sobre o meio que vivemos, sobre a rotina urbana.

img_1698

Resolvi analisar e falar sobre esse assunto em minhas palestras. Como podemos ser melhor para o meio em que estamos inseridos e para a sociedade? O Brasil é um lugar sem guerras, sem acidentes naturais, rico em beleza e natureza, com um povo alegre, sensível e hospitaleiro. Um povo capaz de construir em apenas 200 anos cidades modernas e maiores que as da Europa.

Encaramos com naturalidade o fato de muitas de nossos municípios possuírem 700 mil habitantes ou mais, a mesma população de Oslo, capital da Noruega, e Amsterdam, capital da Holanda. Nossas capitais estaduais, então, como Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Recife, são muito maiores que a grande parte das mais famosas cidades europeias.

O Brasil é um enorme sucesso! É um “país-bebê”, que cresce nesse mundo conturbado e cheio de disputas, que sofre com a invasão midiática e o constante ataque de desconstrução de nossa cultura em troca de vantagens financeiras e descaso pela diversidade cultural.

Continuaremos seguindo sem perder nossa natureza essencialmente boa e nosso jeito irreverente de enxergar o amanhã com bom humor. Penso que estamos vivendo um momento em que a autoestima é de grande relevância para o alcance individual da felicidade. Este artigo não tem um apelo missionário ou pedido de adesão a qualquer comportamento, mas sim de uma reflexão sobre aquilo que pensamos ser ou significar.

Não tomarei o caminho de exibir estatísticas e pesquisas que mostram o sucesso daquilo que alcançamos, como ser um exemplo ao planeta no combate à Aids, o único país do mundo onde o tratamento é 100% gratuito e acessível a todos, o único país do mundo que anuncia o resultado de suas eleições no mesmo dia, mas gostaria de salientar que todo tipo de pesquisa sem um pingo de credibilidade costuma desvalorizar o Brasil a todo instante. Não caia nessa! Conecte-se com aquilo que temos de maravilhoso.

A percepção positiva sobre o seu país é fonte de grande inspiração e vontade de viver. É um bem que fazemos a nós mesmos dentro de nossa individualidade, na busca de nossos desejos particulares por uma vida que valha a pena. E se você, assim como eu, responde Brasil quando ouve um “Where are you from?”, aproveite! A vida é uma só.


*Alvaro Fernando é especialista em comportamento, habilidades conversacionais e em comunicação e persuasão. Fernando é premiadíssimo compositor de trilha sonora, vencedor de três leões em Cannes, duas medalhas em New York Festival e três estatuetas no London Festival. 


Há mais de 25 anos no mercado, atua com os principais anunciantes dentro e fora do país. http://www.alvarofernando.com.br/

Tags , , , , , , ,

Responsabilidade Social: Acessibilidade no Shopping Rio Mar Recife

Na minha rápida passagem por Recife, conheci o super super lindo e enorme Shopping Rio Mar Recife.

E uma das coisas que mais gostei, foi o monitor acessível. Olha o Hugo gente:

IMG_1365

No shopping Rio Mar Recife, o Hugo é o guia interprete do Shopping.  – Qualquer um que saiba a Língua de Sinais, pode entende-lo. Não é máximo?

Isso mesmo, eles tem o Hand Talk, tecnologia que realiza tradução digital e automática para Língua de Sinais, utilizada pela comunidade surda.

A solução oferece ferramentas complementares ao trabalho do intérprete para auxiliar a comunicação entre surdos e ouvintes. A empresa foi criada em 2012, já foi premiada internacionalmente e é referência no segmento. Além de ser comandada por um simpático intérprete virtual, o Hugo.

IMG_1366

Hugo, o personagem 3D que torna a comunicação interativa e de fácil compreensão para os surdos.

O personagem é um fofo, e tudo que ele diz, em Língua de Sinais  é bem fácil de entender.

Ainda no assunto, Inclusão e Acessibilidade, o RioMar Recife dispõe de elevadores com acessos a todos os pisos e banheiros adaptados para pessoas com deficiência física (atenção, Shopping Rio Mar Recife, não é portadores), além da cortesia de cadeiras de rodas convencionais e quadriciclos elétricos para que os clientes circulem com mais agilidade pelo Shopping.

Parabéns aos administradores!  Amei estar com vocês e saber que estão sempre se esforçando em tornar o passeio das pessoas com deficiência no Shopping ainda mais prazerosa e confortável, com certeza foi um dos pontos altos da minha viagem a cidade, a grande e linda Recife.

Leia também quando a Daiane falou desse Tradutor de Libras quando ela começou o blog dela, o antigo Daia Make e Tal. Ah, e logo logo teremos ele aqui também.

Até a próxima!

 

Tags , , , , , , , , , , , , , , ,

Mais Inclusão: As vibrações da música ajudam bailarinas surdas!

20160302053826Voce já ouvir falar de um projeto maravilhoso chamado “céu e terra”? Não? Então vamos saber mais?

O projeto idealizado no ano de 1997, em Belo Horizonte – Minas Gerais por um casal de artistas, a bailarina Wilmara Marliére e pelo músico Wéberty de Araújo, seu marido.

A história

A dançarina ainda na infância foi diagnosticada com a “Síndrome de Arnold Chiary”, que acomete os movimentos de todo o corpo e compromete o cérebro e a audição. Ela quase ficou tetraplégica, mas depois de quatro cirurgias conseguiu continuar dançando, sem perder a força e a perseverança.

Para treinar sem ouvir a música, ela estudou muito e encontrou a resposta na física, em um método inovador a partir das vibrações do som. Com isso, a bailarina buscou uma maneira de estimular o corpo a perceber melhor a vibração sonora no ar e sentir a música em sua pele. A parceria  começou  com Wilmara e sua irmã Meiry. Elas atendiam gratuitamente, na sala de sua casa apenas crianças surdas carentes, onde aprendiam do balé .

248fb7ca5a1376e0ba3f60bf23531d57

Apaixonada pela dança, Wilmara já se apresentou diversas vezes.

IMG-20160229-WA0015

Apresentação de duas alunas surdas.

20160302053828

Na mídia: Uma das muitas reportagens sobre o projeto.

Ajudando outras crianças

Com as cirurgias e o tratamento, ela  recuperou a audição, mas decidiu não deixar de lado a técnica das vibrações sonoras. Para ajudar outras pessoas,  desde então ensina balé a meninas surdas carentes. Além disso, seu marido, Weberty, participa oferecendo aulas de violão para alunos cegos, num método também idealizado por ele.

IMG-20160229-WA0016

Wéberty numa apresentação ao lado de um artista cego.

20131125221856448049i

Talento de pais para a filha

Além desse trabalho tão especial que fazem juntos o casal tem uma filha Maria Clara  que é igualmente talentosa.

Atualmente está no Sexto ano, e como qualquer menina de sua idade gosta de brincar de boneca e é fã de macarronada a bolonhesa (quem não é?). Joga no time de Handebol da escola e já aprendeu a tocar teclado e flauta.

E claro, ela também participa no projeto criados pelos pais. Já fez diversas apresentações de dança e canto com e sem eles, em grupo e sozinha e segue os passos dos pais na carreira. Gosta de dançar e cantar e sonha em seguir carreira de modelo.

jp3

Mãe e Filha juntas numa apresentação

Fotor_145710778464880

Benefícios para aqueles que participam e já participaram do projeto

Uma das lições que podemos aprender das dificuldades que Wilmara teve desde a infância é que não devemos nos acomodar com a nossa condição.

capa_bailarina

Com as alunas surdas

E as crianças que participam do projeto, são estimuladas a “aprender a ouvir”, ou seja na dança é usado o espaço, meios e equipamentos que Wilmara idealizou, para “aprender a estarem atentas as vibrações do som. Não é fantástico?

E não para aí, as mães das crianças atendidas relatam que estão até ouvindo melhor, e com testes de audiometria, são comprovadas a tese de melhora auditiva, muitas delas com um melhora de até 25% decibéis.

Com certeza uma família talentosa e exemplo para todos nós. Se você gostou e tem interesse em conhecer ou participar do projeto entre em contato, conforme abaixo: Fotor_145710775662942

Com surdos eu e Thiago ficamos encantados com o carinho que Wilmara, Weberty e Maria tem com com cegos e surdos. Achamos importante a inclusão social na educação e em projetos diversos como na dança e a música. Agradecemos a família e desejamos muita saúde e bençãos de Deus.

Um grande abraço!

Tags , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Entrevista Inédita: Débora Olivieri

photoDébora Ida Szafran, ou Débora Olivieri como é mais conhecida, tem 58 anos de idade, sendo 42 de atriz. Ela tem duas filhas, a Julia de 31 anos e a Fernanda de 28. Já fez muita teatro, cinema e novela. Namora atualmente o holandês Rudd Dankers, que conheceu através do aplicativo de relacionamentos Tinder.

Quais cuidados que você tomou e que devem ser tomados pelos que usam esse tipo de aplicativo?

Minha filha insistiu para que eu entrasse neste aplicativo e conhecesse alguém interessante. Resisti bastante, mas eu estava há 15 anos sem me relacionar com ninguém e sentia falta de um companheiro.

O Ruud estava no Rio, tinha chegado ao Brasil naquele dia. Procurei na Interpol e na internet tudo o que pudesse ter sobre ele contra ou a favor. Começamos a conversar, saímos e, desde então, sempre que possível estamos juntos. E por incrível que pareça tive muita sorte. Não conseguimos ficar mais de um mês separados e posso dizer que fui sorteada sozinha na Mega Sena, ao encontrar este amor incrível, sincero, honesto e cheio de outros adjetivos absolutos que me fazem feliz e completa.

deborah-olivieri

Débora e Rudd

Por que escolheu atriz, como profissão? Sabe dizer quantas participações em Novelas, Filmes e Teatros? Qual mais gostou?

 Sou atriz há 42 anos e amo o que faço. Acho que foi a profissão que me escolheu. Amo ser atriz, desde criança. Se for contar todas as participações não caberia nesta entrevista. Mas confesso que meu melhor papel é sempre aquele que vivo no momento. Não consigo lhe dizer o melhor deles. Gosto de todos eles. Vivo o presente e dou a cada personagem a vida que ele merece.

Já trabalhou em algo que não gostava? Na sua opinião  qual a importância em trabalhar com o que gostamos? 

Já fui gerente de boutique, tesoureira de banco e trabalhar com o que gosta e viver do que trabalha é tudo na vida. Todos trabalhos que fiz foram necessários para sobreviver, mas junto a isso, sempre fui atriz, tendo começado aos 16 anos. Por sorte, hoje sou independente com na minha profissão, e isso não tem preço.

g1

Com Glória Pires, Thalita Lippi, Thiago Rodrigues e outros colegas de elenco da novela Guerra do Sexos.

213197

Semiramis, a personagem em Guerra dos Sexos. FOTO: Rede Globo.

Quais preparativos que você faz para viver uma personagem? Consegue se desligar da personagem quando acaba a gravação? 

Sou muito dedicada a cada personagem que recebo para viver. Estudo muito e quando saio do teatro, set de filmagem ou TV, deixo os personagens no cabide do camarim e não os levo para casa.

Na TV já foi a Inês de Terra Nostra, Matilde de Aquarela do Brasil, Carmem de Chiquititas, Semiramis de Guerra dos Sexos, e atualmente vive a Ana de Êta Mundo Bom! Qual desses personagens foram mais marcantes?

Viver a Inês de Terra Nostra me deu muito prazer. Talvez posso dizer que que até agora foi o que mais gostei.

Em Chiquititas viveu a vilã Carmem. Também se mudou para Argentina? Como foi trabalhar com crianças?

 Sim, vivi na Argentina por quase 4 anos, e amei essa experiência. Adorei a experiência de trabalhar com crianças e saber que influenciei artisticamente mãos deles. Às vezes encontro o pessoal que agora são adultos, e acho lindo ver a trajetória que cada um deles seguiu.

1998-99

Em Chiquititas ela viveu a Carmem por 3 temporadas e contracenou com muitos artistas talentosos e reconhecidos hoje em dia: como Flávia Monteiro, Oscar Magrini, Fernanda Souza, Jonata Faro, Carla Diaz, Nelson Freitas entre outros. (Foto de 1998, 1ª Temporada da novela)

 

deborah-olivieri-a-rosa

Caracterizada como Rosa, personagem que viveu recentemente no Teatro, na peça de mesmo nome.

Hoje, está novamente na Globo, mas já trabalhou em várias emissoras, passando por SBT, Band e Cultura. O que mudou na TV nos últimos 30 anos na sua opinião para melhor e para pior? O que você acha da programação televisiva hoje? Qual o futuro da TV?

Acho que é um avanço a TV se acoplar com a internet. E creio que quanto mais emissoras e programas alternativos houver, melhor será para o ator que tem mais oportunidades de trabalho e melhor será aos espectadores, no sentido do poder de escolha por ter variedades. Não haverá monotonia e cada um poderia ver o que quiser em que veículo puder ver e a qualquer hora. Muita coisa mudou nestes últimos anos e acho que muito ainda haverá de mudar. Gosto disto: Mudanças e avanços.

debora

Arquivo Pessoal da Atriz.

O que faz e gosta de fazer nos momentos de folga?

Gosto de ir ao cinema e ao teatro. Amo ouvir música, ler e correr, ler. E de vez em quando, não faço nada mesmo (risos).

E viajar? Das Viagens pelo Brasil e mundo: onde já foi? Qual lugar preferido? E onde ainda não foi e quer ir?

Amo viajar e sempre que posso viajo. Já fui a China fazer cinema e adorei a experiência. Na Argentina como já disse, morei por 4 anos, devido as gravações de Chiquititas.

Amo a Holanda e na Europa amo Itália, Espanha, Portugal Quero conhecer mais e mais. Amo também Nova York e confesso que do Brasil conheço pouco. E quero muito viajar um pouco no Brasil e conhecer Natal, O Pantanal, Fernando de Noronha e Inhotim.
Quais os projetos e expectativas para o futuro como atriz, mulher e brasileira?

 Queria muito ver o Brasil sair desta situação tão difícil que se encontra. Queria muito um Brasil sustentável, honesto e diversificado. Queria que o futuro fosse mais saudável e menos desigual.  Meus projetos de futuro são estar sempre com lindos personagens para viver, e muita saúde para sempre estar no ar, no palco e no set de filmagem. Amo trabalhar e é isso que quero. E claro: Mais amor, por favor.

Débora,

Agradecemos o carinho e atenção para conosco. Estamos lisonjeados e muito felizes por poder nos respondido e cedido seu tempo para responder essas perguntas. Desejamos muita saúde, amor e felicidades, pois você merece!

Mande lembranças para o Rudd, para a Luciana e Fernanda.

Abraços!

Continuar lendo

Tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Entrevista Inédita: Fernanda Pontes

Ela tem 33 anos, mora em Orlando/FL (isso mesmo lá nos Estados Unidos).

Está casada a 5 anos com o empresário Diogo Boni, é a mamãe da Malu de 3 anos e do Mateus de apenas 1 aninho.

Formou-se em Jornalismo, já fez novelas, e além de atuar ama praticar esportes e trabalhar na Globo Internacional como apresentadora do Planeta Brasil.  Ela é linda, querida, guerreira, simpática e brasileira! Com vocês: Fernanda Pontes.

 

Fernanda: Sempre com sorriso no rosto!

Fernanda: Sempre com sorriso no rosto!

 

 Você sempre quis constituir família ou isso veio naturalmente?

Venho de uma família bem tradicional. Meus pais são casados há 36 anos e eu sempre sonhei em casar e constituir uma família sólida ao lado de um grande amor!

Qual a diferença em ser mãe de menina e de menino?

Tem muita diferença, começando pela personalidade. Mas embora a Malu seja mais agitada e o Matheus mais calminho, os dois são muito carinhosos. Como menina tive que aprender a brincar de carrinho, de super-heróis e várias outras brincadeiras de “meninos” para interagir com o Mateus, já com Malu foi natural. Mas o que posso dizer é que hoje sou uma mulher extremamente realizada em ter os dois na minha vida. Ser mãe é o maior milagre que Deus me deu!

Fernanda com marido Diogo Boni e com os filhos Mateus e Maria Luiza (Foto: Caras Brasil)

Fernanda com marido Diogo Boni e com os filhos Mateus e Maria Luiza (Foto: Caras Brasil).

Pelas redes sociais, você está sempre praticando esportes. Atividades físicas é o segredo da boa forma após duas gestações?

Sempre pratiquei esportes, desde criança, acho importante cuidarmos da nossa saúde em primeiro lugar. Amo fazer exercícios ao ar livre, e ao passar por duas gestações que foram muito saudáveis, isso ajudou muito o pós parto! Gosto de me cuidar, mas não sou radical, me permito comer o que eu sentir vontade.

Participou de grandes sucessos na TV Globo com atriz, qual mais gostou de fazer?

Sem dúvida a minissérie Gabriela. O Elenco era incrível, nos divertíamos muito e aprendi muito com a maravilhosa Laura Cardoso!

Ao lado de Thiago Martins, trabalhou recentemente com a peça “O Grande Amor da Minha Vida” aí nos EUA. Como foi voltar a atuar e participar deste projeto?

Foi simplesmente mágico, principalmente por ter tido minha filha na plateia, por ter levado cultura do Brasil para muitos brasileiros que moram fora do País e ter trabalhado novamente com o Thiago que além de ser um super ator é um ser humano incrível.

O que mais gosta de fazer atuar ou apresentar?

Amo atuar, mas apresentar sempre foi a minha paixão.  Estou muito feliz na Globo Internacional, apresentando o Planeta Brasil.

Atualmente apresenta o Planeta Brasil para a Globo Internacional.

Atualmente apresenta o Planeta Brasil para a Globo Internacional.

Falando em apresentar, qual a diferença em apresentar o Planeta Brasil para a Globo Internacional e de ter apresentado a TV Globinho?

Amava fazer a TV Globinho, tudo que se faz para crianças é especial! Mas no Planeta Brasil também tenho chances de relembrar isso, quando tem programas especiais como o Dia das Crianças.

Qual o foco do Planeta Brasil? E aqui no Brasil como podemos assistir?

O Programa fala da vida de brasileiros de sucesso nos EUA, mostra a vida como ela realmente é, contamos histórias emocionantes que mexem muito comigo! Além disso tem muitas matérias de atores e cantores brasileiros que vem até aqui a passeio. O Planeta Brasil passa em 26 países pela Globo Internacional, mas infelizmente não passa no Brasil ainda.

Se não fosse atriz e apresentadora, o que acha que estaria fazendo hoje? Você se imagina casada, com dois filhos e morando em outro país?

Nossa nem sei o que seria viu (risos). Não nunca imaginei viver o que estou vivendo hoje e estou muito feliz! A vida realmente nos surpreende.

 Sabemos que você ama a oportunidade de morar em Orlando, mas de fato qual a diferença de morar aí para o Brasil, ou para ser especifico, de no Rio de Janeiro?

É bem diferente, apesar de Orlando ter virado um mini Brasil (risos).

A cultura, os costumes, a disciplina na escola, as oportunidades que todos têm de forma igual e isso eu acho incrível. Aqui se você trabalhar duro você consegue ter o que você sonha! Mas claro, sinto falta do calor humano do meu país, da convivência diária com os amigos e minha família.

Acha que os valores americanos são diferentes do Brasil? Acredita que os brasileiros de fato encontram felicidade ao buscar uma vida melhor em outro país?

Bem diferentes sim. Aqui é o país das oportunidades, não é uma vida fácil, mas como falei se você fizer por onde você consegue atingir os seus objetivos.

Acredito que você tem que estar bem com você mesmo para estar feliz e bem em qualquer lugar do mundo. Saber onde quer chegar e ter objetivos é essencial para se obter sucesso.

Já vi relatos que brasileiro não é muito bem aceito e bem tratado nos EUA, acha que existe talvez algum tipo de preconceito?

Nunca senti nenhum preconceito. Aqui existem regras que realmente funcionam independente da nacionalidade da pessoas, basta você respeita-las que será respeitado.

Em 2010 com Diogo, o então namorado na época em uma viagem ao seu destino favorito: Nova Iorque! (FOTO: acervo pessoal da atriz, reproduzida pelo site EGO).

Em 2010 com Diogo, o então namorado na época em uma viagem ao seu destino favorito: Nova Iorque!                                      (FOTO: acervo pessoal da atriz, reproduzida pelo site EGO).

Quais as dificuldades que você e sua família imediata como brasileiros enfrentam morando nos EUA?

Dificuldade temos em qualquer lugar do mundo, a vida é feita de desafios e você tem que estar preparado para ultrapassa-los sempre! Mas a maior e principal dificuldade é ter que lidar com saudade da família que ficou no Brasil, da convivência diária, das feijoadas e almoços de domingo.

Quais os projetos para 2016 na família, no lazer e no trabalho?

Não sou de fazer planos para o futuro, sempre fiz por onde que tudo que almejo vem.

Mas agora em 2016 haverá muitas novidades no Planeta Brasil, irei viajar bastante por todo EUA, e estou bem empolgada.

Fernanda Pontes: "Sempre gostei de praticar esportes".

Fernanda Pontes: “Sempre gostei de praticar esportes”.

__________________

Jogo rápido

Cor: rosa

Salto ou tênis: tênis

Saia ou Calça: calça rasgada

Moda: crio a minha própria

Comida: feijoada

Sobremesa: brigadeiro

Bebida: agua

Trabalho: minha paixão

Dinheiro: nunca pode vir em primeiro lugar

Casamento: realização

Filhos: um sonho

Amigos são: escolhidos a dedo

Fé: Acreditar sempre

Deus: Gratidão

Felicidade é: Ter toda minha família comigo

Esperança: um mundo melhor para as crianças

Música: adoro música Gospel

Cantor: Michel Bubble

Cantora: Ivete Sangalo

Inglês ou Português: Português

Atriz: Susana Vieira

Ator: Toni Ramos

Filme: Em busca da Felicidade

Esporte: Surf

Livro: Boni

Viagem favorita: NY

Viagem que ainda não fez e quer fazer: Maldivas

Uma frase: Querer é poder e conseguir!

Fernanda por Fernanda: Guerreira

 

 

________

Fê, 

Estamos muito felizes pela atenção dedicada a nós, amamos cada resposta e momento que passamos “juntos” mesmo que virtualmente. Agradecemos e desejamos muito alegria no trabalho e muita saúde na família, pois o resto a gente dá um jeito né? Um grande beijo e estamos a disposição!

 

Nota: Essa entrevista é inédita e foi concedida ao Blog dos Perné’s em Janeiro de 2016, diretamente pela apresentadora Fernanda Pontes, por e-mail.

Créditos de Entrevista: Thiago Perné Santos

Créditos de fotos e direito de imagens: Assessoria da apresentadora Fernanda Pontes.

 

Para ler outras entrevistas que publicamos:

 

Tags , , , , , , , , , , , , , , ,

Diva do dia: Carmem Miranda – O que é que essa baiana tem?

Se estivesse viva,  Carmem Miranda teria exatamente 106 anos de idade. E hoje, 05 de agosto de 2015, faz 60 anos da morte da cantora e atriz portuguesa mais brasileira do mundo, Carmem Miranda. Embora tenha nascido em Portugal, mudou-se para o Brasil com os pais quando tinha apenas um ano.  

Duvido que exista alguém que não conheça ou tenha ouvido falar dela. 
Os filmes, as músicas, os sucessos no exterior, a alegria, as cores, as frutas na cabeça, a baixa estatura e sua beleza e vaidade. Adotou a Bahia como terra natal com suas vestes estilizadas, e os arranjos de flores e frutas tropicais que carregava sobre a cabeça – marcas definitivas de sua imagem.


 Vejamos ensaios e editoriais inspirados nessa super star: 


Entre as boas recordações que surgem e ressurgem ao redor do nome famoso, reina uma absoluta e altiva certeza: A saia dessa baiana ainda roda, Carmem é cool, Carmem é uma estrela que segue brilhando, Carmem ainda está na moda.E aí, você ainda duvida da força que essa baiana tem? #VivaCarmemMiranda


Tags , , , , , , , , , , , , , ,